Chamada BrELT Chat 06/08/15

breltchat060815
O BrELT chat volta no dia 06 de agosto de 2015, às 22h (horário de Brasília), com um tema que vai dar o que falar: aulas de conversação. Como se prepara uma aula de conversação? E como se conduz essa aula? Como não sentir que você está ganhando dinheiro para “ficar de papo”?

Garantia de uma conversa muito produtiva com os colegas da BrELT.

Mapa dos BrELTers

“De onde são os membros da BrELT?”

Por diversas vezes, os moderadores do BrELT ouvem essa pergunta e não podem responder com certeza. Para sanar essa curiosidade, Andrew Kirkpatrick montou um mapa no Google para a comunidade: http://bit.ly/1KufAKT

Inicialmente, o objetivo do mapa é só conhecer melhor a comunidade, mas futuramente podemos pensar iniciativas presenciais de desenvolvimento profissional. Sabendo quem mora junto a quem, podemos ver interesses comuns e montarmos grupos de estudos, por exemplo, ou o tão esperado seminário BrELT.

O Andrew também montou este tutorial para quem não está acostumado com esta ferramenta.

*TUTORIAL*

How to add your location to the BrELT map

To add your pin to the map, please follow the steps below:

1. Open the map link

BreELT Map

2. To create your pin, click the pin button (located below the search bar):

Pin Button

3. Now click select the location you want to place your pin using the crosshair; you may use the search bar to find the town or city required.

4. Enter your name in the top field, followed by any optional additional information that wish to add below and if desired, a picture may be added by clicking the camera icon. Then click the save button when you have finished.

Map detail

Please do not make any other changes to the map.
This map is not maintained by Facebook or the BrELT moderators and does not obtain any data from your Facebook profile.

August webinar with Higor Cavalcante about teachers’ English language proficiency

On August 13, Higor Cavalcante will share his IATEFL talk with BrELT and invite us to reflect on our English, the language which is also an essential tool in our teaching toolkit. Join us on Google Hangout or YouTube to exchange ideas with Higor and other members of our community.

11798064_10205498571118376_1270995685_n

***********************************

Higor Cavalcante has been in ELT for going on 17 years and is presently a freelance teacher, teacher trainer and author. His main interests in ELT include extensive reading, language development for teachers and teacher development in general. He’s president of the BRAZ-TESOL Teacher Development SIG and second vice-president of the BRAZ-TESOL association. His email address and blog are higor @ higorcavalcante.com.br and www.higorcavalcante.com.br.

#rovingBrELT @ #BTtechseminar

BRAZTESOL

Nos dias 17 e 18 de julho, ocorreu um excelente evento sobre tecnologia em ELT organizado pela Braz-TESOL e hospedado pela Cultura Inglesa Higienópolis. Havia muitos membros da BrELT por lá, e alguns compartilharam as novidades na comunidade nesses dias usando a hashtag #rovingBrELT.

Interessou-se por um dos posts? Clique na data ou faça uma busca na comunidade por #rovingBrELT e veja a discussão que foi gerada a partir dele. Deixe sua opinião também!

11232358_10200833920927968_8593263560028373120_n

BrELTers no #BTtechseminar — back row: Eduardo Ribeiro da Silva, Andreia Fernandes, Bruna Caltabiano, Ilá Fernandes, Higor Cavalcante, Juliana Mota, Andrew Kirkpatrick; front row: Karin Heuert Galvão, Adir Ferreira, Natália Guerreiro, Carina Alves, Stephan Hughes

11745511_10200835555648835_7639122374790246792_n

BrELTers @BTtechseminar Take 2 – back row: Andrew Kirkpatrick, Viviane Kirmeliene, Antonio Lopes Drummond, Sandra Borges, Ilá Coimbra, Higor Cavalcante, Natália Guerreiro; front row: Giselle Santos, Bruno Andrade, Carolina Echevarria Lima, Cintia Rodrigues e Karin Heuert Galvão.

********************************************************************

Antonio Lopes Drummond19 de julho às 18:29MOBILE DEVICES are allowed, as long as they’re used in FLIGHT MODE. BYOD
11755102_10207077152306652_1921182189311128878_n
Natália Guerreiro18 de julho às 17:45 The recording of the plenaries will be available on the new braz tesol portal to be launched soon. For braz tesol members only. So join the biggest association of English language teachers in Brazil!
Carina Alves18 de julho às 17:41, “We would like to dedicate this plenary to all of those who have to remake themselves in face of disease, prejudice or fear.” – Giselle Santos
Natália Guerreiro, 18 de julho às 17:17Giselle Santos and Carla Arena are periscoping their plenary at‪ #‎BTtechseminar‬
Carina Alves18 de julho às 17:17 , Carla Arena and Giselle Santos
20500_10205871601361774_6031555672623561821_n
Carina Alves18 de julho às 17:08 , “We must talk about failure. Failure is such a taboo… we must fail in order to evolve. If you fall, you get up. If you fail, you start over. Embrace failure: in your lessons, in life.” – Giselle Santos
Natália Guerreiro18 de julho às 17:07Giselle Santos says teachers don’t need to wait for publishers anymore. We can publish and share our own material, youtube or twitter tips to other teachers, periscope our training sessions, use “incrível” as an online staff room… And I should add: you can learn from peers at BrELT, too!
Carina Alves18 de julho às 16:50 · “It’s when we are off balance that things happen.” – Carla Arena

11760295_10205871489318973_2601942473289320272_n

Carina Alves, 18 de julho às 16:17I’ve become a big fan! – Gustavo González
 11751878_10205871305554379_5785320655923075421_n
Carina Alves18 de julho às 15:25 ,”‘Practice makes perfect’? I don’t believe in perfect, but I do believe in permanent.” – Gustavo González
Carina Alves18 de julho às 14:46 , “Are we teaching mechanics or drivers?” – Gustavo González, on the (lack of) importance of teaching Grammar.
Bruno Andrade18 de julho às 14:55 , Framework for BYOD use via Paulo Dantas “Mobile devices: don’t fight them. Use them”
11696013_10152860183291577_7428135791275679292_n
Ilá Coimbra‎, 18 de julho às 14:46 , Ana Maria Menezes and Jeniffer Verschoor on using tech when preparing students for exams.

11717315_1005892642776513_3996983202040334209_o

Natália Guerreiro18 de julho às 12:36Teachers who are interested in developing better games can see Jeff Kuhn’s video for the U.S. Secretary of Education. (If you find the link, please share with us!)

Natália Guerreiro18 de julho às 12:26Gamers approach real-life problems differently. We must be prepared to take aboard lateral thinking. Jeff Kuhn at the round table about teachers’ place in tomorrow’s classroom
Andrew Kirkpatrick18 de julho às 12:14Preparing for the not so round Round Table session (see photo below lol). With Jaime Cará, Jeff Kuhn, Rick Rosenberg “What is the teachers’ place in the classroom of the future?”

11755672_10153497025013832_4417335753659386381_n

Antonio Lopes Drummond18 de julho às 10:57A GPS-like kind of app which shows you how many times you’ve crossed paths with a so-called “stranger” before at work or even in class: this and a number of insights that came up during Giselle Santos‘s HACKATON.

Setting up a phone with cups (kids’ toys and gaming); role-playing ‘mysteries’ on stage.
Notice. Notice it. Notice always.
Amazing!

11750608_10207067943516438_2118531552027616408_n
Bruno Andrade18 de julho às 10:56Giselle Santos sharing ideas for hackthons projects!
11750681_10152859871371577_4127724423728027384_n
Antonio Lopes Drummond18 de julho às 10:47, Tackling SOCIAL INVISIBILITY and CULTURAL BLINDNESS: Giselle Santos addresses these and so many other startling issues in HACKATON
11707684_10207067904595465_4814115658482108311_n
Bruno Andrade18 de julho às 10:20“Hackathons: Exploring Design Challenges in the Classroom” Giselle Santos
11694938_10152859828436577_5244018777309536821_n
Bruno Andrade18 de julho às 09:52Giselle Santos teaching us how to hack learning. Audience is having a design challenge to create a mobile. “Hackathons: Exploring Design Challenges in the classroom”
11141343_10152859783686577_645824829377940037_n11760310_10152859783806577_4201678029823210199_n10500540_10152859783741577_5697677460393257006_n
Antonio Lopes Drummond18 de julho às 08:46Gustavo Gonzalez explains Hancock’s IPEC Taxonomy (Interest; Personalization; Entertainment; Challenge)
10517475_10207066948291558_8922966515484536698_n
Carina Alves18 de julho às 08:32 , “If a teacher can be replaced by technology, then that teacher should.” – Gustavo González
Carina Alves , 18 de julho às 08:30 , Such a riveting plenary! ‪#‎GustavoGonzález‬
16129_10205865843177823_5261717548586275572_n
Carina Alves18 de julho às 08:23 ·, “If there is no involvement, there is no commitment.” – Gustavo González The early bird catches the worm! =)
 11755115_10205865787056420_8782686636356900709_n
Carina Alves18 de julho às 08:06 , Here we go again! Another full day of learning, sharing and networking.
11755828_10205865742415304_8405215573898339829_n
Andrew Kirkpatrick17 de julho às 19:22As a long and informative day drew to a close, the welcome sign glows brightly. Tomorrow is a whole new day.
11694838_10153495146643832_4172458120899909470_n
Natália Guerreiro17 de julho às 18:04“Is it technology or methodology?” Top-bottom implementation of technology is a problem. Technology comes in the classroom, but the traditional methodology lives on. Jennifer Verschoor
Ilá Coimbra‎, 17 de julho às 16:56,  A summary of Paulo Dantas’ talk on using apps in the classroom.
11705635_1005505252815252_3847854305377024455_o
Andrew Kirkpatrick17 de julho às 16:56Some disadvantages of flipping your classroom. With Sergio Lins and Bruno Lancellotti.

11698663_10153494899773832_3440126720475422178_n

Andrew Kirkpatrick17 de julho às 16:53 , Some advantages of flipping your classroom. With Sergio Lins and Bruno Lancellotti.
11760192_10153494894483832_4527309116312278994_n
Antonio Lopes Drummond17 de julho às 16:35 , One of Carla Arena’s two core beliefs is being CONNECTED not just TO and/or through technology but also and most importantly to EACH OTHER.
MOBILITY is also paramount
11738046_10207062436778773_4952668149186966163_n
Andrew Kirkpatrick17 de julho às 16:09Traditional class x Flipped class. With Sergio Lins and Bruno Lancellotti. What’s your preference, traditional or flipped?
11041215_10153494807868832_2305668118717155356_n11760276_10153494807983832_7834592660865963408_n
11751447_10153494808088832_7487025031222841090_n
Natália Guerreiro , 17 de julho às 16:03You don’t need wifi to use technology in the classroom. For instance, use students’ camera rolls and ask them to…
1) show the last pic they took and tell the story behind it (instead of the old “what did you do this weekend?”)
2) guess what their partner is like based on the pics
3) choose a photo and compare in trios trying to find sth in common among the pics
4) describe family members, pets, toys, or bedrooms
5) mapping the school (E.g. if they’re studying shapes, find them around the school), perhaps as quests /treasure hunts

By Carla Arena, “Recharging your teaching”

Antonio Lopes Drummond17 de julho às 15:51, Carla Arena’s session on technology brings keywords such as: hashtag; trending topics; todaysmeet.com; being emotionally engaged; giving room to introverts; how to bridge the gap; using technology when we are offline
11745445_10207062104730472_12386000522933617_n
Bruno Andrade17 de julho às 15:42Technology Framework for teachers via Ana Maria Menezes: Black, White or Black: the colors of tech integration
1236309_10152858571831577_7996763138289099396_n
Andrew Kirkpatrick17 de julho às 15:40Audience participation with Sergio Lins and Bruno Lancellotti,10407449_10153494738103832_5532208541850523821_n
Bruno Andrade17 de julho às 15:37www.todaysmeet.com/braztech Join Ana Maria Menezes in her online chat room to discuss technology integration
Bruno Andrade17 de julho às 15:34What mistakes do we make when integrating technology to classes?, Ana Maria Menezes – Black, White or Gray? The colors of tech integration
10473620_10152858557021577_7244643028576775766_n
Antonio Lopes Drummond17 de julho às 15:26MARY WESTMACOTT, aka AGATHA CHRISTIE (Voce sabia?)10898196_10207062009488091_7972121349780882943_n
Karin Heuert Galvão17 de julho às 15:21Paulo Dantas “Mobile Devices”
11755112_10153422622298232_2100269996878535667_n
Antonio Lopes Drummond17 de julho às 14:53 , Graham Stanley talks about “camera presence” and being able to “VIVIDLY” and tangibly deliver a lesson when it is BROADCAST. New skills are required for this type of teaching.11742626_10207061660159358_8714782897228458375_n
Antonio Lopes Drummond17 de julho às 14:47Remote teaching, distance learning, by Graham Stanley11214085_10207061641518892_2346991348578636635_n
Antonio Lopes Drummond17 de julho às 14:45Graham Stanley talks about new ways of working: remote teaching and learning in settings where there is not enough “physical” space for both teachers and learners. Lessons are BROADCAST and successfully delivered.
11751936_10207061631998654_7271834634434413655_n
Antonio Lopes Drummond17 de julho às 14:28, Graham Stanley talks about PLASMA teaching: one teacher in South Africa delivers (as in a lecture) a lesson which is BROADCAST to students in Ethiopia. In this photo, a teacher in The Phillippines (Asia) BROADCASTS a lesson to students in Uruguay (South America).
Key words: distance/remote teaching and learning; team teaching; blended learning
11695785_10207061365591994_7542351051407807176_n
Natália Guerreiro17 de julho às 14:09Graham Stanley on the difference btw remote teaching, distance learning, blended learning, and team teaching.
Natália Guerreiro17 de julho às 12:25Before you use a game in a language class, ask yourself, “Do students actually use language when playing this game? If not, is there a task I can assign which will involve language?” Otherwise the game is not useful for the language classroom. Graham Stanley on Digital Game-based Language Learning
Natália Guerreiro, 17 de julho às 12:19Graham Stanley’s book
10440662_10154027377264867_1574473713210440045_n
Karin Heuert Galvão17 de julho às 12:17Google Earth in class.
11694970_10153422335043232_3179368961425228626_n
Karin Heuert Galvão‎, 17 de julho às 12:04 , Jeff Kuhn talks about voice commands and language teaching.11705235_10153422314008232_8524745018374329097_n
Juliana Mota17 de julho às 12:11” We must co-author the author’s book, making books much more meaningful for our life” Gustavo González
Natália Guerreiro17 de julho às 11:53Droppy , a game that can be used along with demand high elt. Students first see pictures and try to remember as much as they can from them. In pairs they talk about what they saw. Teacher then collects descriptions and awards points at the end of each description, challenging students to describe better than the previous std. You don’t want students just to add details, but rather to describe it over again, stretching their language to the limit.

Teacher then shows pics and asks questions about the character’s feelings and what could make him feel better, as that will help them play the game.

For the following steps, you can download the presentation on pt.slideshare.net/bcgstanley/braz-tesol-mini-course-dgbll or check graham’s blog

Antonio Lopes Drummond,17 de julho às 11:48A CENGAGE Learning e a National Geographic Learning sempre surpreendem

11223589_10207060583332438_481027823031550677_n

Natália Guerreiro17 de julho às 11:35 , With text-based games like playspent.org , students not only read the text but can actually talk decisions over as they negotiate their next move. For this game your character is broke and needs to get money somehow. Talk about authenticity!

Digitalplay.info , Graham Stanley’s blog, offers suggestions for how to use this game in the language classroom. pt.slideshare.net/bcgstanley/braz-tesol-mini-course-dgbll

Natália Guerreiro17 de julho às 11:29Graham Stanley says there are 2 types of gamers: those who invest themselves in the game and act as though they are the characters vs. those who play in the 3rd person. You’ll find a mix of both in the classroom, and that will generate conversation.
Bruno Andrade17 de julho às 11:14Jeff Khun asking how teachers can use Google Docs in class. Have you used? How?
Natália Guerreiro17 de julho às 11:09Graham Stanley has kindly shared his presentation named “Digital Game-based Language Learning.”
11015331_10154027228614867_5449452357435539392_n
Juliana Mota17 de julho às 11:00About to start ! :) He is very kind and welcoming.
11695855_875739025834590_7834113851309815860_n
Antonio Lopes Drummond17 de julho às 10:23CALL (Computer-Assisted Language Learning), according to Chapelle (2001):

*lgge learning potential;
*learner fit;
*meaning focus;
*authenticity;
*positive impact;
*practicality.

(Jeff Kuhn’s session)

Natália Guerreiro17 de julho às 10:15, A framework for games and language learning by Jeff Kuhn, “Games for Learning: Theory”
11745905_10154027088754867_5936296844263859034_n
Natália Guerreiro17 de julho às 10:11, Teachers may wish to learn about game design to “steal” good ideas and apply them to language learning objectives. And there are few teachers around with that knowledge… Jeff Kuhn in “Games for Learning: Theory”
11760302_10154027079374867_9033572837029635416_n
Bruno Andrade 17 de julho às 10:00 • games as a community of interest •

The key to successful learning through games is community. In order to provide learning opportunities, we must create conditions for a community to flourish in which students can have the chance to use the language to extrapolate the excitement from games!

Andrew Kirkpatrick 17 de julho às 09:44 · “Games are becoming a cultural form where literacy is expected, same as movies, books and music.” Jeff Kuhn.
11053139_10153494087588832_6728030709748699023_n (1)
Natália Guerreiro17 de julho às 09:36, “97% of American 12-17 y.o. play games”, but that’s no argument for using games in the classroom, ‪#‎jeffkuhn‬ says. Our arguments have to be pedagogical. What are the gains in learning?
11755634_10154027009279867_4190885791757300486_n (1)
Jeff Khun starts by differentiating games, toys, puzzles and activities:
– toys: no rules / user determines the use and limitations of the object.
– activities: a mandatory attempt to overcome unnecessary obstacles.
– puzzles: do not respond to player’s actions.
– games: voluntary participation / rules / feedback system / goal
11760258_10154026999419867_6161081816556104114_n
Antonio Lopes Drummond17 de julho às 09:32 , Games (rules) vs toys (no rules) in Language Learning (Jeff Kuhn’s plenary)
10513471_10207059848674072_6047687677874225219_n
Natália Guerreiro17 de julho às 09:29Games presuppose voluntary participation. So is it really a game when we “make” students play it in class? “Games for Learning: Theory” Jeff Kuhn
Andrew Kirkpatrick,17 de julho às 09:25Higor Cavalcante introducing the plenary speaker Jeff Kuhn. As watched from the Oxford Networking room.
11755765_10153494043313832_2589016828833989325_n
Juliana Mota17 de julho às 09:09Getting ready…
11061169_875701179171708_4848981343482079231_n
Andrew Kirkpatrick17 de julho às 08:09Registration underway.
11061330_10153493948518832_6151228058943743413_n
Andrew Kirkpatrick17 de julho às 06:38, Good morning, BRAZ-TESOLers.11539754_10153493850473832_6424483965959091847_n11745875_10153493850528832_3870455444234818015_n

“São Paulo, uma cidade educada e tecnológica. Ou: o que rolou no Braz-Tesol Technology Seminar”

banner_hot

São Paulo tem muitos atributos e lados positivos. Tem um serviço de primeira, restaurantes incríveis, uma gente super simpática e receptiva. Além poder curtir isso tudo, tive a oportunidade de participar do 1º Braz-Tesol Tech Seminar. Um seminário “devoted” aos estudos e práticas sobre o uso da tecnologia no ensino de inglês. Maravilha, não é mesmo? Uma perfeita combinação.


A organização do evento foi super cuidadosa! Tudo muito organizado e prático. O evento contou com um formato bastante interessante que alternava entre plenárias, mini-cursos, BYOD (Bring Your Own Device) happenings e momentos de troca de ideias entre professores. Tudo muito proveitoso e interessante! Parabéns, Braz-Tesol!


De todos os aspectos que rolam num congresso, aquele que sempre mais me encanta é o networking. Além de poder rever queridos colegas, conhecer gente nova e saber o que está acontecendo fora da minha sala é sempre proveitoso! A partir dessas conversas e bate-papos, discussões, argumentações e trocas o que me tocou mais como professor foi:


Games
“Games are the new literacy”
Há um movimento muito forte para inserção de games em contextos de aprendizado de línguas. Porém, discutimos bastante sobre os fatores de empolgação, durabilidade do interesse dos alunos e interação. Chegamos a uma conclusão de que os jogos por si só trazem um ganho linguístico que não é duradouro. É importante que os alunos/gamers tenham um espaço para troca de informações e socialização onde o inglês seja meio de comunicação.


Maker Movement
É uma outra vertente forte no mercado. Giselle Santos encantou a audiência quando trouxe ideias sobre Hacking Learning, ou seja uma forma de transformar o aprendizado com missões que não necessariamente envolvem tecnologia digitais mas sim a capacidade dos alunos de solucionar problemas com materiais do dia-a-dia como copos de plástico, papelão, corda, papel e caneta. Giselle sugeriu vários projetos internacionais que podemos incentivar nossos alunos a participar ou, então, criarmos a nossa própria versão deles. Alguns são: Prêmio Samsung Resposta do Amanhã, Intel Education Projects, Destination Imagination, Global Cardboard Challenge, Technovation, 3M Education Projects, Google Science Fair, Lego Education e Maker Camp.

Muito discutido ainda e trás muitas vantagens para a instituição como economias na compra de aparelhos tecnológicos. Cada aluno usa o seu device a também traz um cuidado maior para com ele. Porém, é extremamente importante que seja criada uma política de uso consciente para que funcione. É preciso pensar em investimento em Wi-fi nas salas (ou áreas comuns das filiais), politica de perda e roubo, treinamento de professores etc.
Atividades que podem ser utilizadas com BYOD são: QR codes, uma treasure hunt pela filial da sua escola. Ou então, em grupos de 3 os alunos leem um texto cada um e tem que report back para o grupo. Ou até mesmo, um aluno grava sua voz no aparelho e passa para outro que tem que escrever o que foi gravado pelo colega.

Já estou ansioso pelo próximo Braz-Tesol TechSeminar! Mas antes disso teremos a National Conference em Brasília em 2016!

Até lá, Bruno Andrade.

BrELT no XI CBLA por Eliane Azzari

Este agitado julho teve mais um evento na nossa área: o CBLA (Congresso Brasileiro de Linguística Aplicada), que ocorre a cada dois anos e é organizado pela ALAB (Associação de Linguística Aplicada do Brasil). Eliane Azzari, querida membro da BrELT, esteve lá e conta para nós como foi o congresso. Dentre os temas de interesse, foi discutida a questão do status do inglês no mundo e nas universidades brasileiras. E porque cada vez mais se estudam diversos contextos de uso da língua, teve até professor universitário pondo funk para tocar… PRE-PA-RA!

********************************************************************************

Linguística Aplicada para além das fronteiras ou “o show das poderosas”

por Eliane Azzari

Entre 13 e 17 de julho, estive com outros linguistas aplicados de todo o Brasil – e alguns visitantes de outros países – reunidos na Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS) para dialogar, problematizar e instigar discussões em torno das relações entre linguagem, educação e sociedade durante o XI CBLA. Em pauta: o papel da investigação em Linguística Aplicada (LA) para além das fronteiras – algumas literais e evidentes, outras nem tanto assim, mas todas igualmente relevantes – do ensino-aprendizagem, da formação de professores, da pesquisa acadêmica e dos currículos, materiais e fazeres didáticos na educação linguística em nosso país. As discussões focalizaram os mais diferentes contextos, navegando pela educação básica (privada e pública), pelo ensino superior e a formação pré e em serviço de professores de línguas, entre outros.

A Linguística Aplicada (que – para aqueles não familiarizados com a área – não é uma “aplicação” da Linguística), de natureza essencialmente transdisciplinar (e como proposto em vários dos discursos circulados nesse Congresso – transgressiva) propõem-se a dialogar com outras disciplinas. Dentre elas, as teorias linguísticas de diversas orientações teóricas; a antropologia; a psicanálise, a pedagogia e (quaisquer) outras áreas do conhecimento que possam contribuir para a investigação, o entendimento e, especialmente, a discussão e a problematização das questões ligadas à educação linguística e suas interfaces com a sociedade, a formação de cidadãos e as políticas (linguísticas e educacionais) públicas.

Dentre as temáticas abordadas nas mesas debatedoras estavam o plano nacional do livro didático (PNLD); o ensino-aprendizagem de línguas, as construções de sentidos e as práticas transgressivas; questões de linguagem e gênero, raça, sexualidade e etnias; a internacionalização, e a interface linguagem e (novas) tecnologias e culturas digitais.

Durante as palestras, pesquisadores nacionais e internacionais trouxeram à pauta questões relacionadas à formação (pré-serviço / contínua) de professores de língua materna e estrangeira (em especial a língua inglesa) e às práticas críticas e transgressoras decorrentes de perspectivas contemporâneas da linguagem e sua interface com a educação-sociedade. Nessa visão, há lugar reservado para o diálogo trans e também interdisciplinar, em favor de uma educação linguística que rompa com visões e práticas (antigas e consolidadas), dentro e fora de ambientes escolares, que reforçam diferenças; (pré)conceitos e relações de poder que, mediadas e reafirmadas por meio de práticas sociais letradas, mantém a exclusão e os desequilíbrios sociais.

As comunicações (orais e em pôsteres) projetaram um painel estado-da-arte de mais de 700 pesquisas recentes, realizadas por professores e alunos de graduação e pós-graduação de todo o Brasil, relatando a preocupação e o interesse em entender, visibilizar, discutir e propor possíveis saídas e caminhos para questões de extrema relevância para a educação linguística e o papel do formador-gestor-professor de línguas na atualidade. Por meio dessas comunicações, foi possível traçar e observar retratos de variados contextos educacionais nacionais (e alguns também internacionais), em um precioso e necessário relato, misto de realidades conflitantes; projetos e procederes inspiradores; ideias instigantes e, acima de tudo, incompletudes.

Ainda foi possível, antes da abertura oficial do evento, participar de minicursos gratuitos com importantes representantes nacionais e internacionais da pesquisa em LA, pesquisadores focados em algumas das temáticas que destaquei acima, tais quais os (multi)letramentos e a criticidade na formação docente e no papel e uso de tecnologias digitais no ensino-aprendizagem de línguas e o caráter translíngue do inglês contemporâneo. Desses momentos, destaco, a discussão proposta durante mini-curso em 14/07, ministrado pelo Prof. Dr. Alistair Pennycook, renomado pesquisador da área.

A partir de exemplares linguísticos observados em diferentes paisagens em diversos países por que passou, e sob a orientação sociolinguística e do letramento crítico, Pennycook polemizou a existência de um emergente “English from below”. A partir de práticas que (para outros pesquisadores como Blommaert e Canagarajah poderiam ser chamadas de translíngues) exemplificam uma língua inglesa hibridizada, mestiça, situada em panoramas de diversidade, imigração e, também, contextos como a sala de aula de língua inglesa, o pesquisador trouxe exemplos desses ingleses que desafiam outras variantes, como a chamada norma culta. O termo proposto “from below” gerou certo desconforto entre os participantes do mini-curso que questionaram, por exemplo, se a afirmação de binarismos (from above x from below) não estaria reforçando (ainda mais) preconceitos linguísticos mediante esses ingleses que circulam na atualidade globo-local. A discussão situou esses ingleses em diversos contextos  em que as práticas sociais revelam o quanto a língua inglesa falada hoje está cada vez mais distante de sua “terra natal” e, portanto, afetada (em termos estruturais, lexicais e fonológicos) pelas outras tantas línguas que a permeiam nesses contextos.

Outro destaque fica para a mesa composta pelos professores-doutores Cláudia Hilsdorf Rocha, Lynn Mario Menezes de Sousa e Clarissa Jordão, que discutiram o papel da LA para além das fronteiras da internacionalização, processo que atinge as universidades de todo o país e marcado por projetos do MEC como o Idiomas sem Fronteiras (IsF), conectado ao Ciência sem Fronteiras. De maneira clara, precisa e pertinente, a mesa debatedora demonstrou, com suporte de teorias e de programas implementados, o caráter mercadológico assumido pelo inglês mediante tais projetos, o que retoma a característica de commodity assumida por essa língua, tornando-a um “bem de consumo” almejado pelas mais diversas áreas do conhecimento que, por sua vez, recorrem ao profissional de Letras (língua estrangeira) como um fornecedor de um produto em destaque – características marcadamente neo-liberalistas. A discussão ganhou forte adesão da plateia presente, que aplaudiu entusiasticamente as problematizações trazidas pelos pesquisadores da mesa debatedora.

E, por fim, destaco a mesa composta pelos professores-doutores Miriam Jorge, Danie M. Jesus e Luiz Paulo da Moita Lopes, sobre o tema “LA para além das fronteiras: linguagem, gênero e raça”. A mesa trouxe à pauta importantes questões tais quais a presença, ainda insistente, do preconceito e da intolerância à diversidade e à diferença, manifestada, por exemplo, por intermédio das redes sociais, bem como notabilizou que ainda é preciso muito trabalho e discussão em relação à posição assumida pela educação linguística (por intermédio, por exemplo, de materiais didáticos) mediante tais questões. Moita Lopes, um dos grandes nomes da pesquisa em LA em nosso país, começou sua fala com um título elaborado e rebuscado, que não ouso aqui tentar reproduzir. Mas, para alívio (e entretenimento) dos presentes, imediatamente sugeriu “ou também, O Show das Poderosas” como título alternativo para sua fala na mesa debatedora.

Sem dúvida, ao terminar sua exposição com um vídeo de jovens filipinos dublando e coreografando um funk da cantora Anita, que se tornou viralmente notório nas redes sociais recentemente, Moita Lopes me fez (re)pensar quão rígidas podem ainda ser as fronteiras mediadas / construídas / consolidadas pelas línguas nos contextos escolares e escolarizados, enquanto há contextos em que as  práticas sociais letradas tidas marginais (ou será from below?) desafiam quaisquer tipos de fronteiras – físicas e/ou subjetivas – revelando o papel transgressor inato do ser falante que, translinguisticamente – refuta, ainda que inconscientemente, a ideia essencialista de “uma língua pura; uma cultura específica”. Afinal, as língua(gens) são híbridas desde seus berços e, portanto, não podem se submeter às impostas fronteiras uma vez que são, por princípio, elas mesmas as poderosas do show.

11741161_1106381232723573_8813116365961287114_o

Mesa redonda: LA e Internacionalização. Com os professores Lynn Mario Menezes de Souza (USP), Cláudia Hilsdorf Rocha (Unicamp) e Clarissa Jordão (UFPR).

***********************************************************

Obs.: O vídeo das mesas debatedoras ficará disponível em breve no site do evento. Olho vivo!

*****************************************************

elianeEliane F. Azzari é professora da faculdade de Letras da PUC Campinas e doutoranda em Linguística Aplicada (Linguagem e Educação – linha de pesquisa: linguagem e tecnologia) pela Unicamp. Apaixonada pelo ensino e a formação de professores, há 29 anos trabalha com EFL no Brasil e já ministrou cursos de inglês em escolas regulares da Educação Infantil ao Ensino Médio, em empresas e em escolas de idiomas. Possui Mestrado em Linguística Aplicada na área de Língua Estrangeira pela Unicamp e os certificados ICELT e CPE pela Cambridge University. Seus interesses de pesquisa se concentram especialmente na formação de professores de línguas; avaliação e desenvolvimento de materiais didáticos impressos e digitais e o ensino de línguas na escola pública, orientando-se a partir  dos (multi)letramentos críticos. Para acessar algumas de suas publicações,visite https://unicamp.academia.edu/elianeazzari.