Mensagem a mensagem (12/04/2012) – Personalização: ideias para aula se tornar menos impessoal

Bruno Andrade A postos!

Natália Guerreiro Presente!

Lucia Bodeman Eu tbem.🙂

Valeria Benevolo França Boa noite gente.

Natália Guerreiro Boa noite, povo!

Natália Guerreiro Gostei do assunto pq a McDonaldização do ensino, a lógica one-size-fits-all, realmente me incomoda.

Natália Guerreiro vem, Shirley Rodrigues!

Valeria Benevolo França Então vamos que vamos: o que nós entendemos por personalisação.

Bruno Andrade Pois né, Natalia. Mas faz-se importante delinearmos o que cada um entende por personalização de uma aula. O que siginifica pra vcs?

Lucia Bodeman Pra mim, significa atender as necessidades do aluno de forma prazerosa e eficaz.

Bruno Andrade ‎Valeria :-)

Natália Guerreiro bem, pensando em voz alta, agora, tem 2 personalizações: uma para o aluno (needs, personal tastes, goals) e outra do prof (para deixar + de acordo com seu estilo pessoal).

Valeria Benevolo França Eu entendo como uma maneira de permitir o aluno usar a língua alvo falando sobre coisas que lhe interesse.

Graeme Hodgson Para mim eh respeitar a individualidade do aluno, permitindo que ele se expresse atraves das atividades comunicativas e de escrita.

Valeria Benevolo França Sim, a possibilidade de expressão usando L2.

Bruno Andrade Incluo ainda aquele tipo de personalization que o aluno eh sugerido a fazer em certos exercícios, do tipo: describe your house.

Natália Guerreiro vixe, estamos com várias definições distintas! que linda a variedade!🙂

Graeme Hodgson Tb acho que o interesse do professor tem que parecer genuino!! Senao, o aluno nao se sentira motivado a compartilhar suas preferencias, gostos, desgostos, visao e opinioes.

Lucia Bodeman Lamento q isso nem sempre seja possivel…ja q temos um curriculo q eh book-centered, e visando provas e resultados.

Valeria Benevolo França Com certeza Graeme Hodgson, não devemos pensar em personalização como um elemento que temos que incluir em nossa aula “comunicativa” pq é esperado…só faz sentido se tiver um propósito verdadeiro, genuino….

Bruno Andrade E como personalizar uma aula quando os participantes da mesma são tão distintos?

Valeria Benevolo França Mas Lucia Bodeman se pensarmos em uma oportunidade de personalização antes de uma leitura de texto, obtendo informações que servem de warmer e também como um pre-reading task, ainda estaria seguindo um curriculum…o que acha?

Graeme Hodgson Depende, Lucia. acho que ha espaco na maioria das aulas para a criacao de um ambiente de trocar respeitosa entre individuos, mudando patterns of interaction.

Lucia Bodeman Otima pergunta, Bruno…estou c um problema desses, e sao iniciantes. Mais motivo ainda pra preocupacao.

Valeria Benevolo França Segue um exemplo que vi no site do British Council:The learners have read a text about sports. In pairs they talk about what their favourite sports are and whether they prefer to play or watch. – http://www.teachingenglish.org.uk/knowledge-database/personalisation

Personalisation | TeachingEnglish | British Council | BBC    www.teachingenglish.org.uk

Lucia Bodeman Vou ver, Valeria.🙂 Thanks.

Bruno Andrade Como assim, Valeria Benevolo França e Graeme Hodgson? Vcs acham que há professores que se sentem forcados a personalizar uma aula, como se fosse mais uma ferramenta de uma aula comunicativa? Gostaria que extendessem o topico

Graeme Hodgson Nestes `’momentos’ de personalizacao (que podem ser considerados como tendo a funcao de promover o rapport T-Ss e S-S) penso que podemos agir como se tivesse conhecendo pessoas num contexto mais social, uma festa, um casamento, fila do banco etc… as pessoas costumam trocar informacoes pessiais, opinioes etc espontaneamente.

Natália Guerreiro sobre essa personalização de falar sb o q vc acha, o q vc faz, o q vc gosta e desgosta… ela é desejável? fico sempre me perguntando isso pq meu marido, q não é prof, é tímido e reclama desse tipo de pergunta em sala de aula. acha invasão de privacidade. e

Valeria Benevolo França ótimo ponto Natália, e uma crítica ao processo de personalização em outras culturas não ocidentais é que é um hábito bastante incomum em algumas culturas. As pessoas podem se ressentir, portanto temos sempre que dosar a nossa abordagem e mais importante, conhecer bem nossos alunos.

Graeme Hodgson Interessante, Natalia… isso eh importantissimo.. o prof tem que ter inteligencia interpessoal o suficiente para sentir o terreno e pensar na melhor abordagem. Bruno, acho que muitos profs fazem perguntas pessoas aos seus alunos (pq o TG manda) mas nao se dao nem o trabalhe de fazer follow-up questions ou expressar uma reacao real, alem de dizer “very good” e “and you?” para o proximo aluno!

Natália Guerreiro ou, pior, Graeme Hodgson, corrigir a gramática, a pronúncia… tudo, menos responder ao conteúdo.

Graeme Hodgson exataemente! Sorry about typos, guys!! : 0

Valeria Benevolo França Acho que vale lembrar uma citação que muitos usam quando falando de personalização, baseado em : “In foreign language teaching, we customarily begin with the lives of others, with whom students may not easily identify, and then expect students to transfer the material to their own lives.” (Moskowitz, G. (1978). Caring and Sharing in the Foreign Language Class.) Isso vem de uma abordagem bem humanista e tentativa de tornar a experiencia da aprendizagem mais relevante para o aluno….

Natália Guerreiro é, confesso q, apesar de simpática a dogme e fã de paulo freire, tem coisas no humanismo de carl rogers por ex q me espantam. um certo exagero, não sei.

Graeme Hodgson Quando abordam um topico em sala (um texto sobre X)… acho que bons professores sempre (intuitivamente?) fazem o elo com a vida pessoal do aluno… como warm up. Pessoalmente, acho que a personalizacao vai mais alem… e fazer com que o aluno se importe e tenha uma ligacao pessoal (ate passional!) com o tema em questao!

Luiz Agrizi Boa noite, gente.

Bruno Andrade Eh verdade Graeme! E eu tb share esse feeling de estar invadindo a privacidade dos alunos, por isso que tb concordo com o Graeme sobre a utilização das técnicas de personalização para conhecer melhor os alunos e criar rapport. Dessa forma vamos saber até onde podemos ir na personalização.

Graeme Hodgson Boa noite, Luiz!!!

Graeme Hodgson Vamos fazer um levantamento aqui… qtos ja fizeram algum tipo de enquete ou survey no inicio do semestre, onde os alunos respondem perguntas sobre seus interesses, gostos, preferencias de tipo de atividade, personal learning objectives etc.? Acho muito valido o professor guardar estas informacoes e usa-las para preparar atividades que motivam os alunos, mesmo que nao possa agradar a todos em todas as aulas, mas atingindo um equilibrio ao longo do semestre.

Luiz Agrizi Eu relaciono personalização com relevancia. Os alunos precisam sentir que o que eles estao estudando pode ser usado imediatamente , assim que eles sairem da escola.

Henrick Oprea Boa noite, pessoal!🙂

Raquel de Oliveira cheguei…🙂

Graeme Hodgson Hey, neighbour… Henrick!!

Natália Guerreiro o/ levantando a mão na enquete do Graeme Hodgson

Bruno Andrade Um tipo de exercicio de personalização que gosto de fazer eh perguntar que musicas eles gostam e trabalhar com ela, depois te fazer uma atividade de speaking centrada no lyrics da música, peço a eles para escreverem sua próprias versões da música com letras variadas

Henrick Oprea Uma ótima pergunta, Graeme. Muitas vezes acabmos impondo nossos gostos nas nossas aulas. Isso é comum em muitas coisas: uma aula na qual o professor fala muito mas escreve pouco no quadro por ser assim que ele aprende melhor, ou então fazer uso de ferramentas de internet porque ele gosta ao invés de saber se os alunos preferem, etc.

Bruno Andrade O/ levantando a mão pra enquete do Graeme Hodgson

Lucia Bodeman To indo, gente. Sorry, mas o cansaco ta grande, e o sono tbem. Depois vejo o ‘summary.’ Bjo.

Graeme Hodgson Luiz… acho que estamos fala=ndo de coisas diferentes. Quando vc diz que eles devem sentir que podem usar imediatamente… vc se refere a frases prontas para o dia a dia… ou a capacidade de falar de suas preferencias, opinioes, desejos, experiencias etc em L2 caso surja uma oportunidade (ex. um encontro!!)

Raquel de Oliveira Personalização dialoga com criatividade, motivação e emoção: quais os limites para não cairmos no ‘papel de terapeutas’ em sala de aula?

Luiz Agrizi letra B, claro;

Natália Guerreiro boa noite, Lucia Bodeman!

Graeme Hodgson Sweet dreams, Lucia!

Graeme Hodgson Gotcha, Luiz… ficou claro agora!

Bruno Andrade Acho isso muito importante, Graeme Hodgson. Dessa forma não só nos lucramos com essa aproximação. Da pra perceber na expressão dos alunos, que pensam “Poxa, To sendo levado em conta aqui. O que eh sinto e penso tem importância nesse ambiente” isso eh pensar num tipo de ensino mais humanista, que só traz benefícios.

Henrick Oprea Acho que há algo bem complicado com relação à personalização dentro de uma sala de aula: por mais que tentemos, quando há mais de 2 participantes, alguém terá que ceder. O papel do professor é tentar o máximo possivel auxiliar o aprendizado de todos. A personalização do conteúdo é mais uma ferramenta para isso, não um fim em si só.

Valeria Benevolo França Eu gosto da idéia de que a personalização dialoga Raquel de Oliveira, uma outra coisa que eu acho que a personalização traz é a possibilidade de trabalharmos as histórias de vidas das pessoas (vou soar super “happy clappy” aqui), mas dentro de um vies socio-histórico…Sim, meio Paulo Freiriano, meio Vygotskiano…mas concordo com Natália Guerreiro que isso pode ser super tricky…mas que possibilitia o diálogo.

Raquel de Oliveira Concordo que começarmos uma aula explorando o ponto alvo a partir de exemplos via vida de alunos (e dado naturalmente por eles) faz com que a ponte para o coursebook seja mais suave, e faz com que o uso da língua seja algo mais real e natural.

Teresa Gomes de Carvalho Boa noite!

Graeme Hodgson Henrick… good point, mas a sala de aula nao deve ser um microcosmo da sociedade que a cerca? Na vida sempre havera diferentes gostos e visoes e o professor tem um papel fundamental ao ensinar o respeito pela diferenca!

Luiz Agrizi exemplo, nao adianta ensinar can / cant ´por exemplo, dizendo que penguins cant fly, or, xuxa cant sing, se o que o aluno quer mesmo falar sao de suas proprias habilidades,. e pode numa entrevista dizer o que ele sabe ou nao fazer. é claro que muitos course books vao dar conta desse recado, e promote freer practice that will tackle personalization. mas nem sempre o professor chega nessa momento, due to timing issues.

Henrick Oprea Sim, Graeme, exatamente! Por isso que é importante que os alunos aprendam que nem sempre as coisas serão como eles querem. Quais os limites que devemos dar para a personalização das aulas que tem um certo números de aluno com gostos e interesses diferentes?

Luiz Agrizi e se ficar por isso mesmo, na hora do “see you next class” o aluno vai se perguntar “pq eu to aprendendo isso” . a relevancia nao é obvia para o aluno. é nosso papel mostrá-los e com isso achive their goals.

Natália Guerreiro ah, mas a personalization não precisa ser no final, correndo o risco de cair fora da aula. de fato, em alguns livros é assim q vem, tvz ranço de um PPP mto forte, em q o P de produção fazia dobradinha com a personalization. mas a gente pode subverter isso aí, como já disse a Valeria Benevolo França.

Raquel de Oliveira sim sim, Valeria Benevolo França :) Dentro deste paradigma humanístico, a personalização não é mais vista como uma forma de ‘praticar a língua’, mas como o contexto em si que cataliza o aprendizado da língua a partir de necessidades e propósitos reais e que afetam os alunos.

Luiz Agrizi concordo, natalia. pode ser no inicio, meio ou fim.

Teresa Gomes de Carvalho Personalização pra mim não precisa necessariamente ser nada diretamente relacionado à ‘vida’ dos alunos mas sim à vivência e aos interesses deles. Podemos discutir sobre a vida na idade média durante uma aula cujo tema seja algo relacionado, porém se os alunos se identificarem com o assunto e estiver gerando interesse, há como gerar uma identificação.

Bruno Andrade Concordo plenamente Agraizi! Freer practice exercises should always tackle personalization. That’s the moment students have to manipulate language and there’s no better way of doing that than including their experiences.

Luiz Agrizi pensando em ESA, a personalization pode ser uma otima forma de engage

Henrick Oprea A personalização ocorre quando conseguimos engajar o aluno. Acho que é possível personalizar sem ser apenas no sentido de buscar fazer o que já é de interesse do aluno, mas conseguir engajá-lo por meio de atividades que os motivem à realizar o que é pedido em sala – independente de seus gostos anteriores.

Graeme Hodgson Galera, lo siento mucho… mas vou namorar!! E amanha viajo para Natal-RN seguido de duas semanas observando profs no NE. Eu sei… a rapadura eh doce, mas nao eh mole nao! Boa noite!

Natália Guerreiro haha, Henrick Oprea e Luiz Agrizi tiveram um momento great minds think alike!

Henrick Oprea Perfeitamente compreensível, Graeme! Boa noite e boa viagem!🙂

Bruno Andrade Graeme :-O enjoy!

Henrick Oprea hehehehe pois é… o ponto é que ficamos motivados quando aparece o interesse em buscar alguma solução à um problema. Mesmo que isso seja uma visão reducionista de motivação, eu acredito que a visão cognitiva de motivação pesa bastante em sala de aula.

Raquel de Oliveira Qts de nós planejamos aulas levando em conta as vidas, experiências e sentimentos dos alunos? é crucial dar tempo para o aluno trabalhar as noções de língua a partir de seus próprios pensamentos e vivências. Acredito que isto aumenta tanto a motivação em sala como o envolvimento dos alunos na construção da aula.

Luiz Agrizi concordo Teresa Gomes de Carvalho. Trabalhar com news, por exemplo, é uma ótima forma de personalizar o tópico.

Natália Guerreiro ok, então acho q concordamos q a personalização pode ser em qq momento da aula. e q personalização tem a ver com engajar e gerar a motivação de aprender aquilo, não necessariamente fazer perguntas pessoais invasivas/terapêuticas.

Shirley Rodrigues Gud evening gente! Antes tarde do que nunca! (^^)

Henrick Oprea Bem, em uma pergunta bem recente à uma turma sobre como gostariam de aprender, o que gostariam de fazer e o que seria mais proveitoso, a resposta foi bem contraditória: concordam que aprendem melhor fazendo as coisa, mas, por outro lado, preferem que as aulas sejam bem centrada no professor porque é “mais fácil e menos trabalhoso”… mais um ponto ligado à motivação.

Shirley Rodrigues Deixa me atualizar no thread, alrite?

Raquel de Oliveira Personalização não é um momento, mas sim uma abordagem… contínua e com momentos mais rasos e outros mais profundos… Faz sentido para vcs?

Natália Guerreiro é, Henrick Oprea! e tem gente que gostaria de aprender grammar-based. e aí, né, o q fazer. trabalhar as crenças do aprendiz é uma opção, mas, por outro lado, tem gente q realmente aprende mais assim. =/

Ana Paula Cypriano Estar atento aos alunos, como respondem às atividades e aos tópicos trabalhados em sala também favorecem a personalização.

Raquel de Oliveira Se a aula é um momento de interação, não vejo como não personalizar… O uso de PW por exemplo. Os alunos estão personalização a info. Precisamos sair um pouco de cena, o estimular que os alunos façam uso da língua. Nosso papel aqui é monitorar, corrigir, estimular e OUVIR, Perceber …

Valeria Benevolo França Sim Luiz Agrizi e Teresa Gomes de Carvalho, até porque também vai permitir trabalharmos com aspectos de critical thinking…que também anda “hand in hand” com personalização.

Henrick Oprea Esta é a parte complicada de falarmos de personalização, né Natália?! Se vamos personalizar, partimos do pressuposto que cada um aprende de um jeito, mas se entrarmos em sala já predispostos a acreditar que a personalização da aula deve ser feita desta ou daquela forma, cade a personalização?

Giselle Santos sorry, I am late may I come in?

Natália Guerreiro que legal! já teve personalization ligado ao lesson plan, personalization ligada a needs analysis, agora personalization ligado ao monitoring (via Ana Paula Cypriano)! it’s really everywhere!

Bruno Andrade Boa, Raquel. A diferença da profundidade dos momentos se deve ao nível proximidade aluno x professor, que tem ue ser muito bem balanceada para que não se ultrapassem os limites do aluno.

Henrick Oprea Sempre bem-vinda, Giselle!🙂

Raquel de Oliveira Os alunos estão personalizando a info durante um Pair work…

Ana Paula Cypriano Concordo que ter uma aula centrada no professor parece mais fácil. Precisamos também considerar que esse é um modelo ainda muito usado nas escolas regulares. E os alunos reproduzem isso na aula de língua estrangeira.

Raquel de Oliveira Gente, como vcs vêem este par:“practicing language” and “speaking personally” ? Seriam dois compartimentos separados?

Henrick Oprea Acho que a aula se torna menos impessoal quando aprendemos a REALMENTE ouvir o que os alunos tem a dizer, quando temos uma aula mais gerada no diálogo que ocorre em sala de aula e conseguimos usar isso para dar suporte ao aprendizado, quando temos o currículo apenas como um guia e usamos demais materiais realmente para suporte para aquilo que já apareceu na comunicação, e quando nos centramos no que está aparecendo em aula, em decorrência do diálogo, como uma necessidade linguística do aluno….

Raquel de Oliveira Bingo, Henrick Oprea!

Giselle Santos tentei fazer uma leitura rápida e me desculpem se falar algo que já foi mencionado, acho que personalização é muito próximo de instruçào diferenciada, acho que é achar aquele ponto em que a aula toque cada aluno em uma forma específica. Nada demorado, ou repetitivo mas algo que ao mesmo tempo não pareça invasivo.

Natália Guerreiro ‎*clap, clap, clap*, Henrick Oprea

Raquel de Oliveira A personalização involve um nível profundo de processamento. Muitas vezes o aluno pode dar uma resposta que não é a esperada pelo professor. Como lidar com estas situações? Algum já passou por um momento desses?

Teresa Gomes de Carvalho numa aula com personalização os alunos escutam uns os outros e o professor idem. As opiniões sao valorizadas e os alunos se sentem acolhidos nas suas individualidades.

Henrick Oprea Professor tem que desenvolver habilidades interpessoais… tem que saber lidar com pessoas… tem que saber ouvir e responder ao que escuta. Não dá pra ser professor e se esquecer que o seu trabalho é ensinar pessoas, e não ensinar meramente o conteúdo.

Raquel de Oliveira Educar significa transformar, né?

Valeria Benevolo França Bom, Raquel de Oliveira não esperado em termos da forma ou não esperado em termos de conteúdo que exige um posicionamento do professor ou colegas?

Natália Guerreiro ‎”teach the learner, not the language.” haha, disse isso hj no teacher training aqui. mas acho q o q raquel quer dizer não é só qd nos surpreende. qd exige posicionamento do prof.

Bruno Andrade Henrick, paraceu me que vc estava falando sobre Dogme. o Dogme bebe na mesma fonte da personalização.

Raquel de Oliveira Outra questão que me surgiu: os alunos se lembram melhor da Língua (word/phrases/structures) quando eles a usam no nível pessoal? Internalizam melhor assim?

Shirley Rodrigues

Olha gente, o/ levanto a mão agora para a enquete do Graeme Hodgson, mas, devo dizer q já há muito não faço, pq já tive uma experiencia horrível com a enquete no 1º dia. Ao falarem das coisas que gostavam, um dos meninos numa turma de pr…See more

Giselle Santos acho que a beleza da aula Raquel de Oliveira, é justamennte não estar com um script ou seja não estar com expectativas muito rigidas do que vms ouvir. Acho que muito do aprendizado que fica é justamente quando não esperamos uma resposta, e aí podemos build on that…nada mais personalizado do que isso.

Henrick Oprea O grande ‘xis’ da questão é saber equilibrar a parte da valorização individual, da afetividade, com a parte do que nos responsabilizamos por fazer, que é ensinar uma nova língua. Sempre temo pelo erro pelo outro extremo…

Natália Guerreiro já vi por aí (mas não vou lembrar o nome do santo) de mudar de learner pra learning-centered. acho q uma visão mais sociointeracional dessa personalização, como já sugeriu aValeria Benevolo França, é um caminho para isso.

Giselle Santos eu acho que o excesso de afetividade as vezes atrapalha a personalização tb, com o Rick falou …o equilibrio tem que existir.

Shirley Rodrigues Prsonalization demenad muita coragem pq pode sim fugir ao scheme of work, programa, conteudo… Pode sim criar situações embaraçosas… Pode SIM fazer com que vc vire terapeuta. ENtão, tem q estar pronto para fazer o “rebolation” se tocarem uma m´[usica que não estava na sua playlist.😉

Raquel de Oliveira ‎Valeria Benevolo França, conteúdo… Por exemplo, vc está ensinando a family tree, e o aluno começa a chorar se lembrando da família que morreu num desabamento. Isto aconteceu comigo numa turma de adultos, com um metódo audio-lingual.

Henrick Oprea ‎Bruno, era Dogme sim. Não acham que bebam da mesma fonte… acho que o Dogme busca uma abordagem mais pessoa, individual, e significativa ao aluno. Ou seja, qual é o fim e qual é o meio?🙂

Teresa Gomes de Carvalho habilidade interpessoal é a palavra certa, Henrick Oprea! eu ja assisti aaulas tecnicamente boas mas sem o elemento humano, que leva em conta o cerne do conhecimento humano que exige troca, compartilhamento e empatia.

Shirley Rodrigues pro exemplo, tô querendo personalisar agora e o FB não me deixa dar like nos posts que estou lendo… ¬¬

Henrick Oprea Gente… 3 minutos para fecharmos!! Conclusões?

Valeria Benevolo França  Póis é Shirley Rodrigues, mas naquele momento ele precisou falar e se sentiu comfortável suficiente para fazer isso em sala…que diz que o ambiente era comforting enough….Mas acho que estas coisas acontecem…me lembro bem de uma aula fa…See more

Shirley Rodrigues Insito: personalization demanda coragem.😉

Henrick Oprea Pois é por aí mesmo, Teresa! Há sempre aquele professor que segue o lesson plan à risca, que trabalha tecnicamente com perfeição, mas em nenhum momento atinge os seus alunos.

Ana Paula Cypriano Sim, Raquel. Às vezes somos pegos ” de calça curta”. Mas, o gde barato da interação e negociação é tentar entender de que “lugar o aluno está falando”. Muitas vezes, a resposta não é a esperada no que tange à gramática. Mas é totalmente co…See more

Natália Guerreiro nossa, tá acabando e nem começamos a discutir a tão polêmica pergunta da Raquel de Oliveira!!! partimos do pressuposto q personalization gera a melhor ou mais eficaz aquisição/aprendizagem. mas será? há pesquisa sustentando isso?

Raquel de Oliveira uso real e natural da língua, né, Valeria Benevolo França? a língua é viva, e permeada de sentimentos sim… How to deal with highly-charged emotional issues that arise accidentally, or incidentally – that’s the question😉

Shirley Rodrigues Sim Valeria, o syllabus fica em 2º plano num momento destes, claro. Mas e ´prá voltar o pace? E prá não traumatizar os pre-teens? (Idade media da turma: 12 anos…)

Natália Guerreiro emotional, controversial… tudo rola.

Raquel de Oliveira Que tal seguirmos neste tópico ? Ele parece que não se esgotou… que acham Henrick OpreaBruno Andrade eValeria Benevolo França?

Valeria Benevolo França Shirley Rodrigues falando de um ponto de vista mais psicanalítico agora…se a criança está falando disso, ela próprio precisa e está pronta…se os colegas estão escutando…eles precisam e estão prontos…é a mesma razão pela qual contam…

é a mesma razão pela qual contamos contos de fadas, histórias de Grimm etc para crianças…ajuda a lidar com a realidade da vida…terrível, mas necessário para o crscimento…e tenho certeza que ninguem ficou traumatizado, deve ter unido a turma mais…

Giselle Santos ‎Raquel de Oliveira, acho que estamos sujeitos a situações específicas mas devemos lembrar que aquele aluno que caiu no choro pode estar entre 20 outros alunos que não foram tão emocionalmente tocadios, nesse momento nos cabe saber como conduzir e aproveitar (seii que parece ao horrivel) a situação para que outros alunos não achem que a aula virou terapia de grupo.

Valeria Benevolo França Sim acho que ainda temos muitas coisas para partilhar…podemos dar continuidade a isso via o nosso blog, talvez pelo um voxopop…ou semelhante…o que acham?

Natália Guerreiro o q é voxopop?

Giselle Santos Adorei a idéia do voxopop, personalização pura!

Henrick Oprea Bem, NatáliaRaquel e demais. Há um texto bem interessante sobre isso, publicado em um teaching journal da Oxford e republicado em uma série do Guardian. Fala bem sobre essa dúvida: http://eltj.oxfordjournals.org/content/57/3/278.short?rss=1&ssource=mfr

The end of CLT: a context approach to language teaching eltj.oxfordjournals.org

Raquel de Oliveira ‎Valeria Benevolo França, ano passado tive uma aluna que morreu num acidente de carro com os pais logo que saiu da nossa aula… o assunto veio a tona naturalmente nas aulas seguintes, e eles se expressavam com nostalgia e saudades em Inglês sobre a aluna…

Valeria Benevolo França Gostaria de convidar um de vocês para fazer um resumo de nosso chat. Logo mais coloco esta troca de idéias fantástica no blog e um resumo seria tudo de bom? Alguem?

Shirley Rodrigues Sim, na verdade alguns remanescentes desta turma são meus alunos agora novam *_* E está sendo tão legal… Prsonalization a vontade com eles… E eles são amigos fora da CI, e até na revisão para o PC1 a gente ficou trocando duvidas e exercicios aki pelo FBm em pvt…😉

Raquel de Oliveira ‎Giselle Santos, e eu nem tinha espaço para isto. O audio-lingual não dá mts brechas, né?

Giselle Santos Natália, é uma ferramenta da web que nos permite deixar posts com audio

Henrick Oprea Acho a ideia do voxopop ótima! Natália Guerreiro, é uma ferramenta para discussões por voz bem interessante: www.voxopop.com

Valeria Benevolo França Voxopop é uma ferramenta onde gravamos nossas conversas e idéias e podemos ouvir um ao outro e responder: http://www.voxopop.com/

Shirley Rodrigues Ng ficou traumatizado não Valeria… Mas, na hora, deu um revertério cerebral vc não sabe! (^^)

Ana Paula Cypriano Raquel Oliveira, acho que o professor conhece a turma precisa de sensibilidade para fazer escolhas que julgue correta para aquele grupo, naquele momento.

Natália Guerreiro posso fazer o resumo, mas não hoje, q estou caindo de sono. hehe.

Raquel de Oliveira ‎Ana Paula Cypriano era a 7a aula, e confesso que não esperava aquela reação daquela aluna de 50 anos… aprendi a não rotular😉

Valeria Benevolo França Bom, gostaria de agradecer aos meus colegas e moderadores Bruno Andrade Henrick Oprea Raquel de Oliveira e pelas idéias de voces…watch this space e vamos continuar dialogando. Convidem seus colegas para entrar na conversa no próximo chat. Thousand thanks,e super boa noite.

Shirley Rodrigues Necessidades epropositos reais! Isso Raquel, é isto que a gente tem q dar aos nossos alnos a cada aula, para que eles queiram estar ali… E se o conteudo é one-size-fits-all comoNatália citou lá em cima, we simply stretch or trim edges…😉

Giselle Santos posso deixar um puzzle para vcs e depois digo como isso se aplica ao assunto?

Henrick Oprea Um muito obrigado a todos os que fizeram do chat de hoje algo muito bacana!

Natália Guerreiro puzzle? adorei!

Henrick Oprea Pode sim, Giselle!🙂

Giselle Santos vou escrever sobre isso prq aconteceu na minha aula ontem mas vms la…no cheating ok RS

Raquel de Oliveira Vou personalizar uma citação de Oscar Wilde e sair da festa justo qd mais estou me divertindo… e dormir feliz!! Bjos e super grata a todos – sempre aprendo loads com vcs – e especialmente os amigos moderadores Valeria Benevolo FrançaBruno Andrade eHenrick Oprea tee hee

Ana Paula Cypriano Boa noite a todos. Obrigada e ótimo fim de semana para todos.

Giselle Santos http://ipplreinvent.blogspot.com.br/2010/07/connecting-dots.html

Shirley Rodrigues Valeu gente! Craving for ur summ Natália! *_*

Shirley Rodrigues bjks a todos!

Giselle Santos antes de ler o blog ou qualquer outra referencia ao puzzle dos nine dots…o que vcs tem de fazer é o seguinte, ligar todos os pontos com apenas 4 linhas, sem tirar o lapis do papel e sem passar duas vezes sobre a mesma linha. nao é necessario clicar no link o puzzle é so isso, 4 lines, all dots, no retracing. Good luck!

Shirley Rodrigues ‎Giselle, am alreayd “puzzled”… (^^0😛

Natália Guerreiro ah, eu já tinha começado a ler. mas msm com ela dando o spoiler, eu não consigo, não.

Giselle Santos resposta ainda hj ou devo esperar até amanhã?

Natália Guerreiro vou lá, gente! boa noite! Giselle Santos, obrigada pelo puzzle. olhei na wikipedia. desisto fácil! Haha

Giselle Santos Boa noite! =)

Luiz Agrizi boa noite gente. see u next Thursday

Shirley Rodrigues see in a fortnight Luiz Agrizi: the chat happens every other Thursday😉

Teresa Gomes de Carvalho boa noite!


Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s