BrELTers pelo Mundo: Silas Couto – Canadá

O entrevistado de hoje trocou o calor do Rio de Janeiro pelo clima gelado de Montreal. Na entrevista de hoje, vamos entender um pouco mais do processo que levou Silas Couto ao Canadá.

Há quanto tempo você trabalha nesse local e quais suas funções?

Estou chegando perto de um ano no Canadá entre idas e vindas. Mas o local de trabalho é bem relativo no meu caso. Meu trabalho é no Zoom. Dou aula para meus próprios alunos e também trabalho para uma empresa Austríaca chamada MHC. Todas as aulas que dou são online e individuais. Legalmente não posso trabalhar no Canadá por enquanto, mas isso não tem sido um problema.

Você já trabalhou em outros locais fora do Brasil?

Montreal é o único lugar onde trabalhei de fora do Brasil.

O que te levou a procurar emprego fora do país? Como você escolheu essa  cidade, país e esse modo de trabalho?

A decisão de sair do país aconteceu no ano de 2017. Indo dar aula particular em um sábado eu presenciei um crime brutal à luz do dia e isso abalou minha saúde mental. Não por sentir medo, mas por sentir um nível de melancolia que não tinha precedentes. Decidi que em nome da minha saúde que eu sairia do Brasil. O plano original era morar no Uruguay, mas a vida tinha outros planos e eu acabei começando um relacionamento durante meu CELTA em Montreal. A escolha de ficar aqui se deu totalmente em função desse relacionamento, mas não existe a hipótese de eu voltar para o Brasil especialmente com o atual cenário político.

Quais os requisitos que você precisou cumprir para o seu atual emprego, em termos de qualificações, certificações, experiência prévia, etc.?

Pro meu emprego atual na MHC eu me vali do meu CELTA e CAE da minha experiência como professor online. É um divisor de águas ter certificados com validade internacional e experiência relevante.

Quais foram os requisitos em termo de documentação?

Só precisei do meu passaporte e meu visto. O processo demorou um pouco pro visto, pois eu não tinha MEI e não tinha meios de comprovar minha renda. Tive meu primeiro pedido de visto rejeitado até normalizar minha situação comprovar que eu de fato gero renda. Tanto pro pedido de visto quanto na alfândega em Montreal isso foi essencial pra mostrar que eu não tenho intenção de trabalhar ilegalmente no país. Eles tem um sistema que garante que trabalhadores estrangeiros não vão causar impacto negativo no mercado de trabalho local. Se você espera conseguir seu Work Permit com o CELTA, pense novamente. Isso só vai acontecer se você tiver Delta e eles estiverem precisando de um CELTA trainer. Isso porque eles precisam publicar qualquer vaga de emprego em 5 lugares diferentes e comprovar que não foi possível encontrar profissionais qualificados para o cargo. Só em Montreal são pra lá de 60 professores com CELTA formados por ano que já podem trabalhar aqui.

Como foi esse processo do segundo visto para finalmente comprovar sua renda?

Eu basicamente criei um MEI e passei a pagar imposto. Anexei meu MEI no processo de aplicação pro visto e ele foi aceito como comprovação de que eu gero renda. Naturalmente tive que mostrar quanto dinheiro eu já tinha guardado. Com o mesmo dinheiro antes eu não tinha como comprovar que eu guardei aquele dinheiro trabalhando. Tem gente que pede dinheiro emprestado pra fingir que tem dinheiro.

Provavelmente por isso são exigentes, para evitar fraudes. Qual tipo de visto você tem?

Visto de visitante. Você pode viajar pros EUA e depois voltar pro Canadá e resetar seu tempo de estadia. Para outros vistos, basta você ter dinheiro e pagar por um college ou university, eles vem com Work Permit.

Como você ficou sabendo da vaga? Há algum site específico para saber de vagas deste tipo?

Fiquei sabendo da vaga pro meu atual emprego por acaso no BrELT. Alguém perguntou sobre escolas online, meu atual chefe respondeu e eu me inscrevi pra vaga. Considero ter sido sorte, pra falar a verdade. Eu não estava procurando e estava me estressando com prospects pedindo descontos. Esse emprego foi minha carta branca pra dar um perdido nos prospects – problema e ter segurança pra me manter em Montreal.

Tendo em vista o custo de vida, a remuneração é compatível, inferior ou superior ao que você recebia no Brasil?

A remuneração é três vezes maior que a do meu último trabalho no Brasil e vem em Euros, o que é uma maravilha, pois assim não preciso me preocupar com a instabilidade política do Brasil fazendo minha renda flutuar. Somando meu próprio trabalho com o emprego pela MHC eu consigo me manter bem aqui e no geral o padrão de vida melhorou bastante. São coisas gratuitas que mais me atraem, na verdade. Sair de casa e caminhar com a cachorra ou ir pra academia sem a menor preocupação pela minha segurança. São coisas sobre o padrão de vida aqui que não são mensuráveis em termos financeiros. Certamente no Brasil eu teria como comprar muito mais coisas, mas poder de compra nunca foi me apeteceu e não será agora que isso vai mudar.

Você sofreu algum preconceito por ser não nativo?

Por aqui muitas pessoas falam francês como segunda língua, então a própria noção de preconceito por uma pessoa ser falante nativa do inglês faz pouco sentido. Meus CELTA trainers mesmo disseram que isso não é um problema no ensino de inglês em cursos. O critério acaba sendo sua experiência, seu domínio da língua e seu language awareness. No fim das contas a maioria das pessoas que dão aula nesses cursos são nativas tão somente por barreiras do governo contra trabalhadores estrangeiros como falei acima. No meu emprego na MHC isso não foi um problema. Pelo contrário, fui contratado precisamente por seu um professor Brasileiro bilíngue. A empresa vai completamente na contramão do native speakerism e trabalha com materiais bem elaborados com diferentes variedades da língua. Era de se esperar de uma empresa que não é baseada em um país que fala inglês como primeira língua!

Como está sendo a experiência de trabalhar nesse país sendo brasileiro?

Como eu trabalho online, a experiência não diz respeito tanto ao país quanto à tecnologia daqui. A conexão com a internet é muito melhor do que a brasileira. Muita gente pensa que a qualidade de um provedor de internet tem a ver com a velocidade máxima, mas pro trabalho online o que você precisa é de uma conexão estável. No Brasil em muitos lugares a conexão oscila e você precisa constantemente estar em contato com seu provedor só pra poder trabalhar. Perdi a conta de quanto dinheiro perdi por não poder ensinar do Brasil por problemas com a NET. Com conhecimento básico de como funciona a internet era de se esperar que morar em Montreal afetaria minhas aulas negativamente, pois a distância física entre a cidade e meu alunos acrescenta 28 ms de latência. Mas a qualidade e estabilidade da conexão melhoraram a qualidade das ligações em relação ao Brasil.

Você passou por alguma situação inusitada em sala de aula por não compartilhar a cultura/língua dos alunos?

Não. Todos os meus alunos são Brasileiros.

Qual conselho você daria a professores brasileiros que querem trabalhar aí no Canadá?

Não venha pra cá sozinho e sem um plano sólido. Não quero desencorajar ninguém, mas há questões culturais e geográficas que precisam ser consideradas. Acredite: você não quer passar o inverno daqui sem companhia. Pode parecer uma ideia super legal enquanto você devaneia no momento de insônia, mas não é tão fácil assim fazer amigos aqui e dentre todas as dificuldades que você vai ter pra ficar aqui, as pessoais serão as mais difíceis. Se você não vem sozinho ou se já conhece pessoas aqui, junte bastante dinheiro e comece algum curso universitário pra ter seu Work Permit. Leia e se prepare muito. O Canadá não é lugar pra você improvisar e dar jeitinho Brasileiro.

Silas, muito obrigado pela entrevista. Ficamos muito felizes em saber que você encontrou boas oportunidades através da BrELT. Esperamos que você seja cada vez mais feliz no Canadá.


Imigrante do TI pro ESL, Silas é um professor apaixonado por tecnologia e sua
implementação no ambiente educacional. “Naturalmente vim a trabalhar online por ser um ambiente onde estou bem equipado e isso me proporcionou mobilidade. Trabalhando com uma mistura entre blended learning e Dogme, faço da minha fonte de renda um playground testando diferentes ferramentas digitais.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google photo

You are commenting using your Google account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s