#CPDmonth has started!

posgg

Hey BrELTers,

Venho trazer boas notícias! Se você segue nossos perfis nas redes sociais, já deve ter visto da nossa mais nova iniciativa para o mês de julho: #CPDmonth. 

Não é novidade que nós, da BrELT, sempre promovemos o desenvolvimento profissional através de diversas iniciativas online e face-to-face. Esse ano, observamos que a quantidade de cursos, workshops e eventos oferecidos por profissionais e instituições incríveis nesse mês de julho é bem grande, e por isso decidimos nos juntar à essa onda através de quatro formas:

  • Raffles: Conversamos com todos nossos queridos parceiros que ofereceram diversas bolsas entre 50% e 100% para seus cursos. Além disso, vamos sortear também exames internacionais. Já seguiu as nossos perfis no Instagram, Facebook e Twitter? Divulgaremos os links de inscrição por lá! Gostaríamos de agradecer Higor Cavalcante, Ricardo Barros, Winner Idiomas, Seven Idiomas, Sergio Pantoja, Bath Mattei e Andrea Camara, Caltabiano Idiomas, Active English, Troika, Ibeu, Casa Thomas Jefferson, Alumni e André Hedlund pelo apoio a nossa iniciativa! ❤️

 

  • Webinars: Durante todo o mês oferecemos webinars com diferentes palestrantes falando sobre diferentes tópicos. Pra começar essa sequência tivemos semana passada Lorenza Aildasani falando sobre making one-to-one lessons more dynamic (and fun!). No dia 10, às 20, Sergio Pantoja traz todo seu conhecimento sobre language development for teachers. No dia 26, às 18:00, Renata Freitas falará sobre using Bloom’s taxonomy to enhance critical thinking. Além disso, estamos confirmando mais speakers para o mês! A dica de seguir a gente nas redes sociais permanece! Vamos divulgar tudo por lá. Stay tuned!

 

 

  • Videos: Como você já deve saber, nosso canal no YouTube é uma fonte inesgotável de conteúdo para CPD. Temos lá todos os webinars que tivemos em toda nossa história. Além disso, temos algumas entrevistas prontas para serem postadas. Se inscreva no nosso canal e receba uma notificação toda vez que postarmos algo! Tem muita coisa boa vindo por aí, viu…

 

 

 

  • Southern Cone: Se você não pode ir a Curitiba, a gente vai pra você e ainda MOSTRA TUDO que tá rolando no TESOL Southern Cone. Visitas aos stands, entrevistas com speakers, conversa com plenaristas e muito #rovingbrelt

 

 

Então, dear teacher, depois de tuuuuudo que a BrELT vai fazer para te ajudar no seu desenvolvimento profissional nessas férias, qual vai ser a desculpa para não participar de nada? Precisa descansar? Todos precisamos e merecemos. Mas além de descansar, precisamos evoluir se queremos uma Educação melhor no nosso país. Vamos nessa juntos! Encerro esse post com trecho de um poema uma vez compartilhado com muito carinho por uma pessoa muito especial:

“I shall be telling this with a sigh

Somewhere ages and ages hence:

Two roads diverged in a wood, and I—

I took the one less traveled by,

And that has made all the difference.”

 

Mini-course Using Video in the ELT Classroom

BrELT Academy Presents:

Using Video in the ELT Classroom, a mini-course by BrELT & What’s ELT
It’s true to say that teachers work 24/7. We have all caught ourselves listening to a song, reading a magazine, spending hours on YouTube on our free time and suddenly thinking: “I’ve GOT TO use this in my lesson!”. 

The truth is: we don’t cease to think about our students and materials that will aid learning.


This 3-hour mini-course is for those who love videos and want to maximise learning by using them effectively in the classroom. You will:

– Participate in a live 90-minute webinar and have access to supporting activities in our virtual learning environment (approx. 90 minutes of interaction)

– Learn about different video genres- Watch a demonstration and brainstorm ideas on how to use videos in different stages of a lesson

– Understand the different aims and purposes behind using videos in the classroom

– Develop your lesson planning and activity design skills- Take away a sample lesson plan

– Get creative using your favorite videos

– Exchange ideas with like-minded teachers


Course tutors: Andreia Zakime and Rubinho Heredia

Enroll now:

Option 1: Synchronous meeting on August 03rd (Saturday) 9am bit.ly/videoinELT

Option 2: Synchronous meeting on August 04th (Sunday) 6pm bit.ly/videoinELT2


Before, during and after the webinar, you’ll use digital tools to maximise your interaction with the tutors and other participants. We suggest you download the Google Classroom app here:
Android:https://play.google.com/store/apps/details?id=com.google.android.apps.classroom&hl=en

App store:https://apps.apple.com/br/app/google-classroom/id924620788?l=en


We’d be more than happy to answer your questions before you enroll. You can contact us at info@whatiselt.com


See you soon!

Tornando aprendizagem de inglês visível e palpável através de apresentações – ferramentas e atividades.

Young boy presenting a project to the team
Apresentações podem auxiliar seus alunos a tornar informação em conhecimento. Como vocês as usa?

“Creating a clear an engaging explanation of a complex subject is a great way to demonstrate mastery and to help others understand and fall in with love the subject as well. “

Sal Khan

“Do we define a successful learner as one who has successfully learned a lot of language or one who has successfully learned how to learn, how to continue learning?”

Wolff, 2009: 104

É difícil encontrar alguém que nunca titubeou, esqueceu palavras ou se perdeu no próprio fluxo de pensamento durante uma apresentação. Mas a verdade é que as apresentações orais acompanham muitas pessoas durante toda a vida: na escola nos apresentamos em grupos muitas vezes, na universidade fazemos seminários e discussões, em nossos empregos fazemos apresentações para defender uma ideia ou apresentar uma pesquisa.

A apresentação oral pode desenvolver uma série de competências e incrementar o conhecimento de nossos alunos. A exposição oral treina nossa capacidade retórica o que pode ajudar no desenvolvimento da concentração no pensamento enquanto se fala, da leitura do gestual de pessoas na audiência e o desenvolvimento de técnicas de improviso.

As pesquisadoras portuguesas Laura Ribeiro, Silvina Ferreira e Susana Pereira acreditam que:

“o desenvolvimento da competência da produção oral implica a integração de várias competências comunicativas e de aprendizagem, revestindo-se de um considerável grau de complexidade para o aprendente, mas consideramos igualmente que, apesar das resistências manifestadas pelos alunos a este tipo de actividade, pode conduzir a uma satisfação pessoal elevada, quer por implicar uma sensação de vitória sobre obstáculos previsíveis, quer pela sua proximidade de uma situação autêntica do uso de uma língua, pois destina-se a um público real.”

Clique aqui para ler o estudo na íntegra.

Algumas ideias para desenvolver a habilidade de se apresentar oralmente:

Uma ótima TED Talk sobre como nosso a nossa linguagem corporal influencia a forma como nos vemos a nós próprios é Your Body Language May Shape the Way We Are da psicóloga social Amy Cuddy que argumenta que ao assumirmos uma postura confiante, mesmo quando não nos sentimos tal, pode aumentar a autoconfiança e ter impacto nas nossas hipóteses de sucesso.

Todo mundo deveria assistir esse vídeo antes de se apresentar. Mostre para seus alunos:

Planos de Aula Gratuitos

Um outro recurso interessante são três planos de aula que encontramos que desenvolvem a capacidade de apresentação oral de alunos de 8° e 9° anos. Os planos estão no site Nova Escola (onde há muita coisa bacana para professores de inglês), estão alinhado à BNCC e seguem as etapas de preparação, apresentação e avaliação de uma apresentação oral. Veja mais clicando aqui.

Ferramentas e Web Tools para Apresentações

Motive seus alunos a criarem apresentações no estilo slideshow com modelos, transições e animações usando:

Pratique e desenvolva a habilidade oral com as seguintes ferramentas:

  • Voicethread (Aplicativo para iOs) – uma ótima ferramenta que permite que os alunos adicionem narração e videos aos slides.
  • Photopeach, esse site permite que os alunos criem uma apresentação em formato de slides que contém perguntas, imagens e até música.
  • Livebinders (site e aplicativo) essa ferramenta tem cara de fichário escolar e é ótima pois os alunos podem escolher diversos formatos de apresentação ao incluir videos, links, PDFs, imagens e áudio.
  • Prezi (Aplicativo para iOs), uma forma moderna e dinâmica de apresentação. Requer um certo tempo para adaptação e algumas pessoas reclamam de ficarem um pouco tontas. Vale a pena tentar. Quem sabe?
  • Easely, caso seus alunos já tenham sido apresentados ao gênero, porque não solicitar uma apresentação de dados em forma de infográficos? Infográficos, além de muito popular hoje em dia, podem ajudar os alunos a tomarem consciência de fatos, pesquisas, dados e estatísticas através de informação ilustrada que fazem conexão com os elementos presentes.
Que tipo de atividade você cria para seus alunos se apresentarem? Conta pra gente e compartilhe conhecimento com todos 🙂

BrELT Chat – O professor como produtor de material. 5 de junho, 22h.

Adaptar, analisar, avaliar, implementar, suplantar, substituir e desenvolver material são tarefas de muitos professores de inglês. Quais delas você se sente confortável fazendo? Que área você gostaria de se aprimorar? Você gostaria de fazer atividades mais interessantes para o seus alunos mas não tem ideia de como fazer isso?

Para responder essas perguntas e aprender enquanto debatemos, convidamos você para participar do próximo BrELT Chat onde discutiremos as possibilidades e desafios para que o professor de inglês possa se tornar um produtor profissional de conteúdo.

Vai ficar pouco discutir isso em 60 minutos, né? Não perca! Dia 5 de junho às 22:00h. Clique aqui e participe!
Se quiser receber uma notificação do Facebook avisando sobre o chat, é só confirmar a presença no evento deste link.

BrELTers pelo Mundo: Wellington Barbosa – Espanha

Hoje o nosso avião decola e vai parar na Espanha!
Aqui no Brasil muitos professores se dedicam ao ensino online, que tal fazê-lo em outro lugar? Wellignton nos ensina como.
Agradecemos muito, Wellignton! Temos certeza que muitas pessoas ficarão inspiradas.

1 – Há quanto tempo você trabalha nesse local e quais suas funções?

Estou morando na Espanha desde julho de 2018. Sou professor de inglês autônomo (online) e ensino numa ONG como voluntário, na região de Valência.

2 – Você já trabalhou em outros locais fora do Brasil?

Sim, ensinei inglês na Indonésia, China e agora na Espanha.

3 – O que te levou a procurar emprego fora do país? Como você escolheu essa cidade, país e esse modo de trabalho?

Desde a juventude sempre fui envolvido em ações do terceiro setor e voluntariado, e um apaixonado pela educação intercultural. Tenho uma formação em Antropologia Cultural e experienciar culturas é algo que sempre me chamou muito a atenção. Depois de estar fora do Brasil entre idas e vindas por quase 15 anos, escolher Valência na Espanha, foi uma decisão de “settle down”num lugar com bom clima, custo relativamente acessível e uma migração da sala de aula física para o ensino online como professor autônomo. Foi um processo transicional que durou alguns anos ainda quando ensinava na Ásia. Pesquisei, visitei o país, a cidade e fiz contatos iniciais com pessoas que já moravam para programar o máximo a mudança de lugar e de perfil de carreira.

4 – Quais os requisitos que você precisou cumprir para conseguir emprego neste país como autônomo, em termos de qualificações, certificações, experiência prévia, etc.?

Para ensinar como autônomo num país novo vale muito as referências prévias e qualificações, no meu caso ser professor de idiomas há mais de uma década, ter uma licenciatura em letras, um certificado de TESOL e atualmente cursar um mestrado em linguística aplicada, foram essenciais para essa etapa.

5 – Quais foram os requisitos em termos de documentação?

Licenciatura em letras (filologia) e certificado de professor de inglês para falantes de outras línguas. Além da experiência em cartas de referência de empregadores anteriores. Para o visto de autônomo, eles exigem um plano de negócios viável (pode ser um negócio online), uma determinada quantia em conta bancária e o pagamento de taxas de seguridade social e impostos.

6 – Como você ficou sabendo dessa possibilidade? Há algum site específico para conseguir alunos?

No meu caso a oportunidade de empreender online foi mais forte do que a carreira institucional. Para ser professor em escolas de idiomas oficialmente na Espanha é preciso graduação ou CELTA, além da permissão de residência e trabalho para ser contratado formalmente. Existem muitos professores que são autônomos ou ensinam online através de sites como www.misclasesparticulares.com

7 – Tendo em vista o custo de vida, a remuneração é compatível, inferior ou superior ao que você recebia no Brasil?

Partir para o modelo de negócio autônomo num primeiro momento exige planejamento, ações de marketing direcionadas e a construção de uma gestão de tempo, alunos e ensino. Se comparo tudo isso com o custo de vida e remuneração hoje é bem melhor do que eu recebia no Brasil.

8 – Você sofreu algum preconceito por ser não nativo?

Não, o único que me pediram foi o CELTA, mas devido a experiência, vivência e formação, viram que eu poderia ensinar no mesmo nível que um nativo.

9 – Como está sendo a experiência de trabalhar nesse país sendo brasileiro?

Penso que ser brasileiro, daqueles que não desistem nunca, sendo empreendedor num país como a Espanha, tem sido uma aventura. Há dias como na vida de qualquer imigrante que sentimos os altos e baixos da vida de estrangeiro, mas não há preço como ser dono de seu próprio negócio e poder contribuir para o conhecimento cultural e internacional de uma terceira cultura com meus alunos espanhóis e de outros países.

10 – Você passou por alguma situação inusitada em sala de aula por não compartilhar a cultura/língua dos alunos?

Aqui na Espanha não, mas durante os meus anos como professor de inglês na China, sim. O fato de eu não falar mandarim na época por não entender muito da cultura e não memorizar os nomes chineses de meus alunos, sempre apareciam alguns nomes bem exóticos como “potato”, “animal” entre outros era sempre uma aventura tentar descobrir o significado dos nomes e quando eles escolhiam os nomes em inglês para si nos primeiros dias de aula.

11- Qual conselho você daria a professores brasileiros que querem trabalhar aí na Espanha?


Se possuem alguma cidadania europeia e tem experiência e graduação pode ser interessante ter um certificado CELTA e não precisa ter medo de topar essa aventura na terra de Cervantes.

12- Mas essa possibilidade de trabalhar como autônomo só foi possível por você ter cidadania européia ou esse não é o seu caso?

Não é o meu caso, há países como Portugal em que professores também podem ter visto de residência. Aqui pra Espanha para ter essa possibilidade você precisa ter um valor mínimo 10 mil euros para começar um negócio. Há mais informações neste site.

Professor de inglês especializado em TESOL. Licenciado em letras português/inglês, Mestre em Gestão e Marketing pela UKSW (Indonésia) e Mestrando em Linguística Aplicada pela Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa. Com mais de 10 anos de experiência no ensino de língua inglesa no Brasil, Indonésia, China e atualmente residindo em Valência, na Espanha. Desde 2018 migrou para o ensino online e possui alunos online de inglês de várias partes do Brasil e do mundo.