Delta Module 1 with Distinction? Done!

The DELTA Module 1 results were out last week, and BrELT was extremely proud to see some very dear members among the ones to celebrate their success on what is possibly the most difficult methodology exam for English language teachers. One of those members was Sérgio O. Pantoja Jr, who not only passed, but also got a distinction, which is the highest mark you can get. Not too shabby, huh? He’s also been kind enough to let us know how he prepared for Module 1.

sergio.jpg


Sérgio’s a sweet BrELTer who has been in the ELT field since 2002, having worked for several language schools in Brazil as an English teacher. He has mostly worked with young adults and adults in the areas of general English, business English and exams preparation. Sérgio holds, among others, the CPE, a degree in Languages, a postgraduate degree in English Language Teaching and Translation and a TESOL Certificate from the University of Oregon, USA. He is now working on his Delta Module 2 and we’re sure he’s going to waltz through it. 


Congratulations again, Sergio! Now over to you:

Passing Delta Module 1 with Distinction: I did it and so can you!

This is my first post for BrELT and I can barely put into words how delighted I am to have been invited by Natália Guerreiro to share some of my experience with Delta Module 1 and how I got a Distinction in it. The reason why I felt truly honored is because I have the utmost respect for her and the other moderators who invest a lot time and effort to help us all become better teachers. By sharing my experience here, I do hope to incentivize other teachers to consider taking the Delta in the foreseeable future.

pass

After a long two-month wait – undoubtedly, the longest two months of my life – I finally got my results last Friday and I couldn’t believe my eyes when I saw that I’d passed Delta Module 1 with distinction. Between you and me, I was so astonished as soon as I laid my eyes on the statement of results that I felt compelled to refresh the page just to make sure that it was really accurate and that my mind wasn’t playing any tricks on me. I know that it might sound like I’m embellishing the facts here, but it did take me some time to believe it. In all honesty, the word Delta used to conjure up fear and dread every time I stumbled upon it. That’s why it took me so long to make up my mind and go for it. Just for the record, I started my Module 1 prep course last September, but had been toying with the idea of studying for it since 2014.

Before embarking on my Delta journey, I spent a couple of months reading every blog post, article, tips or anything Delta related that I could get hold of. The most useful blogs that I found, which helped me summon up the courage and take the bull by the horns, were  Sandy Millin’s , Ricardo Barros’s and Sue Swift’s. In additon to these incredible blogs, I also strongly recommend the book “How to Pass Delta” by Damian Williams, which addresses every single aspect of the exam and provides candidates with invaluable tips.

Having spent a great deal of time reading about the exam and other people’s experiences, I came to realise that there are no shortcuts. If you want to pass Module 1, you must study intensively as well as consistently. When it comes to Delta Module 1, cramming for the exam just won’t cut it! Understanding it in advance helped me a lot and prepared me psychologically for the 3 most intense months of my life. Believe it or not, I studied every single day from August, 28th to December, 6th in preparation for it. Therefore, it’s important to  bear in mind that on a weekly basis, you’ll need to allocate 12 hours or so to study all the areas tested on the exam or at least pick the areas that you are weak in and focus on them. For those of you who are unaware of the areas tested, Module 1 covers:

  • ELT Terminology
  • Grammar knowledge
  • Vocabulary knowledge
  • Pronunciation
  • Knowledge about assessment
  • Discourse knowledge
  • ELT History and Methodology

As you probably know, you don’t have to take a prep. course for Module 1. However, I can’t stress enough how helpful it can be to have a tutor marking your work and giving you feedback. In my case, being unable to go to São Paulo every week, I  decided to take a 3-month prep course for Module 1 with Distance Delta, which means that the entire Module 1 course was provided online. In short, every week they’d send us input on the areas above-mentioned which we were supposed to read and then do a series of tasks related to all the exercises tested on the exam. Subsequently, we’d send the tasks to our tutors so they could mark them and give us feedack on the areas where improvement was required. Although there were strict deadlines to be met, having the opportunity to receive feedback is key to improve whatever you’re doing so whenever I received mine, I always tried to take the comments on board.

Before the course begins, you’ll receive a reading list with loads of books that can help you during your preparation for Module 1. As much as you may want to buy and read all of them, it may not be really feasible. For starters, ELT books are rather expensive and as an English teacher, I dare say that time will be limited. Ergo, you should choose your books wisely. Luckily, I already had some of the books suggested for Module 1 so I ended up buying a just few of them. Perhaps, the rule of thumb  here is to have – at least – one great book on each of the areas tested on Module 1. Here’s the list of the books I used for my preparation and every and each one of them proved to be extremely helpful:

  • ELT Terminology – Scott Thornbury: An A-Z of ELT
  • Grammar knowledge – Martin Parrott: Grammar for English Teachers
  • Vocabulary knowledge – Norbert Schmitt and Michael McCarthy: Vocabulary: Description, Acquistion and Pedagogy
  • Pronunciation – Adrian Underhill: Sound Foundations
  • Knowledge about assessment – Arthur Hughes: Testing for Language Teachers
  • Discourse knowledge – Scott Thornbury: Beyond the Sentence
  • ELT History and Methodology – Diane Larsen-Freeman and Marti Anderson: Teaching and Principles in Language Teaching.

Last but not least, I highly recommend you buy Scott Thornbury: About Language and do all the tasks available. Seriously, go through this book from cover to cover. The tasks provided here bear some resemblance to some of the exercises that you are going to face in the exam. Not to mention that you’re bound to learn a lot about English and English Teaching as you make your way through the book

In summary, there’s no denying that Delta Module 1 is utterly challenging – albeit, achievable. Honestly, I’m not entirely sure whether I can pinpoint how I passed it with distinction. I don’t think that I can single out one thing in particular that contributed to my result, but rather a combination of factors.  In restrospect, I think that a big part of it comes down to having a great tutor, enough discipline to study and read everything that you’re supposed to, willingness to complete all the tasks assigned and gracefully accept negative feedback and unflagging motivation to carry on. What’s next? Well, Delta Module 2 is about to begin and I’m really looking forward to it. This time, I’m doing the face-to-face course at Seven, São Paulo. Wish me luck!

***************************

Best of luck, Sérgio! We have a feeling you won’t need it, though. =) And thank you for all these great tips! 

Advertisements

Starting Now: #certifiedinELT Cambridge DELTA with Henrique Moura

16266315_1766295310358408_1617669595410581070_n

When you are climbing up the ladder of Cambridge ELT qualifications, the next step is the DELTA, which Henrique Moura will present to us shortly. You’re welcome to join us on Google Hangouts (http://bit.ly/GHhenriquemoura) or on YouTube (http://bit.ly/YThenriquemoura). Spaces on Hangouts are very limited, but you can participate in the chat if you are logged on YouTube and ask questions during the Q&A.If by any chance the YouTube chatroom is also full, you’ll still be able to watch the presentation.

Certificates will be available at the end of the talk through a Google Form address that will be announced live. Please be aware that you are solely responsible for filling in and downloading your own certificates for the talks you attend, and the certificates won’t be available at a later time or date.

16178501_1766260973695175_838623887710137261_o

Calendar of ELT Events: Ano Novo, CPD de novo

16178501_1766260973695175_838623887710137261_o

Evento BrELT sobre desenvolvimento profissional

Ano Novo, promessas novas. Se sua resolução para 2017 é dedicar-se mais ao seu desenvolvimento profissional, já dá para começar com os eventos agora mesmo de janeiro.

Nesta sexta-feira, 27 de janeiro às 13h (horário de verão de Brasília, UTC-2), o BRAZ-TESOL abre sua temporada de webinars com our very own Ricardo Barros, moderador BrELT extraordinaire, em “Practical Tips to Teach Pronunciation”. Corram para se inscrever porque essa sala vai lotar muuuuito!

Por falar em lotação esgotada, dia 28 São Paulo recebe o III Teacher Development Day by Caltabiano Idiomas. Mas se você paulistano não está na lista desse evento, não fique triste, que dias 23 e 24 o Instituto Singularidades hospeda o  17º Encontro de Férias da SBS, em que se discutirão temas quentes como ensino com novas tecnologias e bilinguismo.

Quem não tem acesso à capital paulista também não tem do que reclamar, pois janeiro conta com bastante evento on-line, além do webinar do Ricardo Barros. Nesta segunda-feira, dia 16 às 21h, a Target oferece um workshop on-line e gratuito para quem está pensando em fazer o CELTA. No dia 21, o Pronunciation SIG do IATEFL terá o webinar ‘The role teacher’s manuals play in pronunciation teaching: an answer key or a complete guide?’ com Sinem Sonsaat. Nos dias 23 e 25, a Cambridge dará o webinar “Understanding reading comprehension assessment: What every teacher should know“. Aliás, toda essa série de webinars “Understanding … assessment” vale a pena acompanhar e buscar as gravações. E o último fim de semana do mês está dominado por dois eventos bombásticos. Para o sábado dia 28/01, o Teacher Development SIG da IATEFL organizou 4 palestras sobre o tema “Learnings when the wheels fall off”. Porque a gente aprende a dar aula nas condições normais de temperatura e pressão, mas os 4 apresentadores de continentes diferentes vão contar o que fizeram quando tudo deu errado. Muito legal, né?

Só que o domingo dia 29 vai ser mais legal ainda. A comunidade BrELT tem trazido muitas dúvidas sobre o que exatamente é o CELTA, ICELT, DELTA, os exames de Cambridge e outras opções de desenvolvimento profissional disponíveis para professores de inglês no Brasil. Por isso, a gente organizou o primeiro, o único, o incomparável BrELT Certified in 2017: Pursuing Professional Development, com as presenças confirmadas de Alberto Costa (Cambridge Assessment), Henrique Moura (Seven), Ricardo Barros (Target/Seven), Marcela Cintra (Cultura Inglesa SP), entre outros. Tudo de graça com live streaming no nosso canal do YouTube, de onde os participantes logados poderão fazer bastantes perguntas e tirarem todas as suas dúvidas.

Vejam mais informações sobre o nosso primeiro evento online de 2017 aqui.

O link para o evento no Facebook pode ser acessado aqui também. Participe!

certifiedin2017

Tutor Henrique Moura tira dúvidas sobre o CELTA

henrique moura.jpgRecentemente a comunidade teve várias discussões sobre o CELTA, o “Certificate in Teaching English to Speakers of Other Languages” da Cambridge. Foram dúvidas sobre se é melhor fazer o CELTA de um mês ou de um semestre, se vale a pena fazer no exterior, se CELTA garante emprego lá fora, etc. Entre os comentários, destacou-se o do Henrique Moura, que além de um experiente tutor de CELTA e ICELT na Seven Idiomas, é um dos poucos tutores no Brasil de DELTA. Pouca coisa o rapaz, né?  #sóquenão 

Um dos orgulhos da BrELT, o Henrique não só se deu ao trabalho de escrever um extenso comentário sobre tudo o que havia sido perguntado, como ainda nos autorizou a reproduzi-lo aqui e até respondeu a mais perguntas. (Porque, né, deu a mão, a gente quer o braço.) ❤ Thanks, Henrique! You rock!

1. É melhor fazer o CELTA intensivo ou extensivo?

Tanto faz. Depende mais da sua disponibilidade de tempo e localização do que qualquer outro fator. Se você não mora em uma cidade que tem um centro autorizado, talvez a opção intensiva seja a única. Se você mora em uma cidade que tem um centro autorizado, depende da sua escolha – ou você tira um mês para se dedicar, ou separa algumas boas horas da sua semana por quatro meses (vinte semanas). Depende de como você lidará com o stress e a pressão, mas não vejo como uma escolha pensando em aproveitamento acadêmico. Mas lembre-se: se você optar pelo intensivo, vai ser um mês em que você só poderá se dedicar ao curso. Não vai dar para ir ao cinema no final de semana, não vai dar para tirar um dia off para fazer algo importante, não vai dar para chegar em casa e arrumar as coisas. Você terá que se organizar muito bem antes do curso começar para que tenha a disponibilidade que o curso exige.

O resultado é o mesmo! Percebo o mesmo desenvolvimento dos candidatos nas aulas finais do curso em cursos extensivos e intensivos, e quando recebo candidatos para cursos mais adiantados (ICELT ou Delta), candidatos que fizeram o curso de ambas maneiras acabam tendo perfis similares, então, de maneira geral, sinceramente não acredito que o curso regular proporcione maior possibilidade de assimilar o conteúdo aprendido do que o intensivo.

2. No curso intensivo as exigências são menores?

A demanda dos tutores será a mesma em qualquer modalidade do curso. Sendo o curso intensivo, extensivo, presencial ou online, o que é esperado do candidato é exatamente a mesma coisa.

3. É melhor fazer o CELTA no Brasil ou no exterior?

Fazer o curso no exterior pode não ser interessante porque você não terá tempo de aproveitar nada da cidade, então eu sugeriria guardar o dinheiro para fazer uma viagem de férias depois e focar no CELTA no Brasil. O curso será o mesmo em qualquer centro autorizado porque esta é uma das vantagens do curso: cada curso é moderado por um avaliador externo apontado por Cambridge que deve garantir que os padrões do curso sejam aqueles propostos por Cambridge.

(Comentário da BrELT: para saber outra opinião, leia o post da Narayhana Pereira, que está adorando o CELTA em Torbay, na Inglaterra e não está gastando muito.)

4. A vantagem de fazer o CELTA no exterior é ter experiência com grupos multilíngues, correto?

Fazer o CELTA no exterior não é garantia que você terá experiência com alunos de diversas nacionalidades. Pode ser que você tenha grupos em que todos os alunos falem árabe, ou chinês, ou coreano. A princípio, não conhecer a língua dos alunos pode, eu disse PODE, dificultar você a antecipar problemas que os alunos possam ter, mas na minha opinião, quando você começar a dar aula em um determinado país, você logo aprenderá a identificar algumas questões específicas de um determinado grupo. Além disso, acho um pouco ingênuo acreditarmos que porque conhecemos a língua do aluno seremos capaz de anteciparmos todos os problemas para agirmos preventivamente. Cada aluno tem um desenvolvimento diferente e muitas vezes o seus erros são únicos. É mais importante desenvolver uma boa habilidade de ouvir o aluno e entender as suas necessidades do que listar possíveis problemas que alunos que falem a língua X, Y ou Z possam ter. Mas sim, é uma experiência enriquecedora, porém não fundamental.

5. Se todo curso é igual, como escolher o centro? 

Todos os cursos cobrirão o mesmo conteúdo programático e darão aos candidatos a oportunidade de desenvolver habilidades-chave, porém, há outras coisas que podem ajudar o candidato a escolher o centro.

  • Localização: Lembre-se que estar próximo de transporte público pode ser muito útil – chegar em casa 1 hora mais cedo pode fazer muita diferença na sua qualidade de vida. Além disso, pense no que a região tem a oferecer, por exemplo, se você precisar de cópias, de algum material para suas aulas, se quiser comer alguma coisa… Essas coisas contam muito durante um mês (ou um dia, no caso de quem faz o curso extensivo) atribulado.
  • Infraestrutura: Pense que este vai ser o prédio onde você vai passar boas horas do seu dia. Tem espaço para você trabalhar em silêncio quando precisar? Se você quiser trazer uma marmitinha para economizar no restaurante, tem um lugar onde você pode guardar e aquecer? Você tem acesso a materiais que vai utilizar durante o curso? Essas coisas parecem bobas, mas fazem muita diferença durante o curso.
  • Cursos oferecidos: O centro tem uma variedade de cursos? Muitas vezes, você pode ter um problema e não conseguir terminar o seu curso ou precisar perder alguma aula. O centro oferece outras opções de cursos, dias, horários e modalidades para se adequar às suas necessidades? Se o centro tem apenas um curso por semestre, e você ficar doente, por exemplo, você só vai conseguir terminar seu curso no outro semestre.
  • Tutores: Pesquise quem são os tutores como o Ricardo disse. Os tutores têm experiência com CELTA? Qualificações?Às vezes um determinado curso pode ser um pouco mais barato, mas você vai acabar gastando muito mais com outras questões (transporte, alimentação, materiais, etc.) que acabam não compensando.

(Comentário da BrELT: clique aqui para ver os centros de CELTA no Brasil.)

6. E o CELTA online?

É tão puxado quanto o convencional. Em algumas modalidades, grande parte do input é dado antes das aulas práticas, mas isso não quer dizer, em hipótese alguma, que os candidatos terão de ter assimilado todo esse conteúdo quando começarem a dar as aulas. Os critérios são os mesmos de um curso regular: nas primeiras aulas, os tutores estarão mais interessados no rapport dos candidatos com os alunos e no classroom management. Em seguida, focarão no planejamento de aula e atividades, depois, em como os professores reagem aos alunos – para exemplificar. Funciona igualzinho ao presencial. A exigência aumenta à medida que os candidatos vão praticando e ganhando confiança. Ah, e não é porque o curso é online que o tutor não fica no pé. Tem prazos, atividades em grupo, em pares… Então tem que cumprir prazos e exigências como no curso regular.

7. Tendo o CELTA, eu consigo trabalhar como professor de inglês no exterior?

É a mesma coisa que perguntar: se eu me formar em administração, vou trabalhar em uma multinacional? Depende de muitos fatores. A primeira coisa que você tem que saber é que, se você quiser trabalhar legalmente no exterior, sua documentação deve estar em dia. Você deverá tem um visto ou cidadania que te permita trabalhar legalmente em um país, caso contrário é difícil. São pouquíssimos os lugares que contratam estrangeiros e se responsabilizam pela documentação, porque além de ser custoso, é uma grande responsabilidade para a escola. Como alguém também disse, a mão de obra na Europa, por exemplo, é abundante. Então se o seu nível de inglês ainda não é um bom C2, precisa investir. Mas sim, dá pra trabalhar fora, apenas não pense que só com o CELTA será possível. O CELTA é uma das coisas de que você precisará.

(Comentário da BrELT: Leia também o thread sobre essa questão e aguarde as novidades — a BrELT está preparando uma série de entrevistas com brasileiros que estão lecionando no exterior.)

8. O que devo fazer primeiro: o CELTA ou o CAE (prova de inglês avançado da Cambridge)?

Para fazer o CELTA, o candidato precisa ter um nível de inglês C1+, o que significa um avançado forte. Não é necessário o certificado, mas certamente o nível, que será avaliado na entrevista do curso. Se o seu inglês ainda não estiver no nível, precisa correr atrás antes de começar o curso. Se você vai tirar o CAE ou não antes do CELTA, indifere, mas o inglês tem que estar afiado – tanto oral quanto escrito. Para a sua empregabilidade, é interessante que você tenha comprovação do nível linguístico também, então, antes ou depois do CELTA, o CAE (ou CPE) é necessário.

9. O que conta mais: fazer o CELTA ou o TKT? Quais as diferenças?

Se você já tem um nível avançado de inglês, o CELTA. O CELTA é um certificado que comprova que você saber dar aula. O TKT é um certificado que comprova que você sabe a teoria básica de ensino de inglês como língua estrangeira, mas não necessariamente sabe aplicar este conhecimento em sala de aula. O TKT é um grande glossário sobre ensino de inglês. É como aprender a dirigir: o TKT seria como o curso teórico – em que você aprende o que são as placas de trânsito, os tipos de infração etc –, mas o CELTA é a parte prática, em que você entra no carro e dirige. O TKT é interessante para quem ainda não atingiu um nível avançado de inglês, alguém que no momento não pode dispender de tanta energia e tempo quando o CELTA exige mas busca uma qualificação, alguém que queira estudar por conta e não pode investir (tanto) no momento etc – mas deve ficar claro que o TKT não ensina prática de ensino, e sim o básico teórico.

(Nota da BrELT: Lembrando que o CELTA é um curso, que inclui uma boa parte de aulas práticas como disse o Henrique, e o TKT em si é só prova, embora haja cursos preparatórios para ela. Ambos conferem um certificado da Cambridge, mas em níveis diferentes, como ele explicou.)

 

10. Já sou prof experiente e vi que o CELTA é para quem quer começar a dar aula. Vale a pena fazer o CELTA?

O CELTA é um curso para pessoas que nunca deram aula, para pessoas que têm pouca experiência, ou para pessoas que têm 20 anos de profissão. Cabe todo mundo! Muitos professores experientes nunca foram formalmente treinados e não possuem qualificação formal, muitos professores têm vícios que adquiriram ao longo da carreira que nunca perceberam ou nunca foram alertados, muitos professores experientes querem ideias novas – O CELTA contempla todas essas questões. Professores novos aprendem com o CELTA pois têm o constante suporte dos tutores para experimentar com as novas técnicas a refletir sobre os resultados, e professores experientes também. Muitas vezes o professor experiente não percebe suas necessidades de desenvolvimento e com o CELTA passa a perceber. Outro dia, recebi feedback de uma pessoa que já está há muito tempo no mercado e está fazendo o CELTA. Perguntei o porquê do curso, e ele me disse que tinha muito conhecimento sobre ensino de inglês, mas o CELTA o ajudou a organizar e formalizar estes conhecimentos, e muitas coisas que ele sabia intuitivamente passaram a fazer sentido.

***************************************************

Dica da BrELT: Se você quer saber mais sobre o CELTA, leia o que a Cambridge oferece de material, confira as discussões na BrELT sobre isso (1, 2, 3, 4 e nosso último chat), ouça o podcast que o TEFLShow fez, contate os centros de seu interesse e tire suas dúvidas com os tutores (há centros que até oferecem palestras gratuitas), converse com colegas que já fizeram o curso (na BrELT temos vários!) e aguarde o livro virtual que vai sair pela The Round.

Se ficar alguma dúvida, jogue lá na BrELT. Como você pode ver pelas respostas do Henrique, o que não falta na nossa comunidade é gente competente querendo ajudar.

Update 05/11: O Henrique avisou lá na BrELT que a própria Cambridge está com um curso on-line gratuito para quem quer se inteirar do mundo ELT e planejar a carreira: https://www.futurelearn.com/courses/explore-elt

Glossário de Desenvolvimento Profissional de Profs de Inglês

Hoje tivemos um bate-papo sobre as etapas de desenvolvimento profissional dos professores de inglês e, como era de se esperar, surgiram nomes de exames, qualificações, associações de professor, etc. Muitos desses nomes são siglas que espantam qualquer um que não esteja familiarizado. O que é CELTA? Qual a diferença entre um TKT e um CPE? Um M.A. é o que exatamente? Aqui um guia rápido dessas siglas com links para você aprender mais sobre elas.

1. Provas de proficiência

CAE e CPE – exames de proficiência em língua inglesa da Cambridge. CAE é nível avançado (C1 na CEFR) e CPE é nível proficiência (C2 na CEFR, o nível mais alto) http://www.cambridgeenglish.org/exams/advanced/
http://www.cambridgeenglish.org/exams/proficiency/


IELTS – prova de proficiência em inglês com validade de 2 anos, elaborada pelo British Council, Cambridge e IELTS Australia. https://www.ielts.org/ O seu certificado IELTS lhe confere uma nota, e essa nota é que indica o nível que você tem. Espera-se que uma pessoa de nível avançado (C1 da CEFR) tire mais de 6.5 no IELTS, enquanto uma pessoa de nível pós-avançado/proficiência tiraria acima de 8 (o máximo é 9).

TOEFL, TOEIC – outras provas de proficiência em inglês, elaboradas pela ETS nos EUA, com validade de 2 anos https://www.ets.org/toefl e https://www.ets.org/toeic O seu certificado TOEFL/TOEIC lhe confere uma nota, e essa nota é que indica o nível que você tem. Espera-se que uma pessoa de nível avançado (C1 da CEFR) tire 95 pontos ou mais no TOEFL IBT (a versão online, em que o máximo de pontos é 120).

Por sinal…

CEFR – Common European Framework of Reference, não é prova, mas muitas avaliações fazem referência a ele, que é o quadro comum europeu com os níveis de proficiência http://www.cambridgeenglish.org/cefr/

2. Provas de conhecimento sobre ensino

TKT – provas de conhecimento sobre ensino, com módulos especializados http://www.cambridgeenglish.org/teaching-english/teaching-qualifications/tkt/

3. Qualificações para professores

(Obs.: Claro que no chat também falamos de bacharelados e licenciaturas em Letras e em outras áreas, mas como esses termos são amplamente conhecidos no Brasil e não são siglas, não se julgou necessário explicar.)

CELTA (Certificate in Teaching English to Speakers of Other Languages) – Qualificação inicial da Cambridge para professores com duração de 1 mês intensivo ou 6 meses regulares  http://www.cambridgeenglish.org/teaching-english/teaching-qualifications/celta/ (Apesar de ser uma qualificação *inicial*, muita gente já faz quando tem tempo de estrada e adora.)

ICELT (In-Service Certificate in English Language Teaching) – qualificação da Cambridge intermediária entre CELTA e DELTA, para profs que já estão na sala de aula http://www.cambridgeenglish.org/teaching-english/teaching-qualifications/icelt/

DELTA (Diploma in Teaching English to Speakers of Other Languages) – qualificação da Cambridge para profs experientes, com um módulo que é uma prova, um módulo que é uma monografia e um módulo prático em sala de aula http://www.cambridgeenglish.org/teaching-english/teaching-qualifications/delta/

CertTESOL – qualificação da Trinity equivalente ao CELTA, dificil de ocorrer no Brasil http://www.trinitycollege.com/site/?id=201

DipTESOL – qualificação da Trinity equivalente ao DELTA , inexistente no Brasil
http://www.trinitycollege.com/site/?id=202

M.A. – Master of Arts – os mestrados no exterior na nossa área (seja M.A. in TESOL, M.A. in Applied Linguistics, etc) costumam ter essa sigla. No entanto, se vc for querer usar o título no Brasil, cuidado: nem todos os M.A. valem como mestrado de verdade no Brasil, alguns serão revalidados como especialização.

B.A. – Bachelor of Arts (ex.: B.A. in English) – o equivalente ao nosso nível superior em qualquer faculdade da área de Artes e Humanidades

4. Associações

Braz-TESOL – a maior associação brasileira de profs de inglês, que organiza um congresso internacional a cada 2 anos (este ano vai ter em Brasília agora em julho)
http://www.braztesol.org.br/site/view.asp

Braz-TESOL Chapters – as organizações locais subordinadas ao Braz-TESOL, que promovem eventos na cidade ou estado em que estão baseadas.

AP(L)Is – as associações estaduais de professores de inglês no Brasil. Há uma lista aqui do lado no blog, mas temos como exemplo a APLIERJ, a APIES e a APIRS.

IATEFL – associação internacional de profs de inglês com sede no Reino Unido, que organiza um evento anual, quase sempre no Reino Unido http://www.iatefl.org/

TESOL – associação internacional de profs de inglês com sede nos EUA, que organiza um evento anual, quase sempre nos EUA ou Canadá http://www.tesol.org/

SIG – Special Interest Group. Em associações como o Braz-TESOL e o IATEFL, grupos de interesse em tópicos específicos, que se organizam para debater esse tema e promover eventos sobre ele. Entre nos sites das associações, e você encontrará SIGs em áreas como materials development, pronunciation, bilingualism, assessment, teacher development, etc.

5. Outras siglas relacionadas

PLN – Personal/Professional Learning Network, as pessoas com as quais você se relaciona e com as quais aprende https://en.wikipedia.org/wiki/Personal_learning_network

CPD – Continuing professional development, tudo que fazemos para nos aperfeiçoarmos como profissionais

BrELT Chat 30/06/16: Os estágios de desenvolvimento profissional e como avançar

13537577_10153487347286577_4626402279293622217_n.jpg

Pergunte para uma colega advogada e ela tem todo um plano até chegar a ser sócia de escritório ou juíza. Fale com médicos e engenheiros e há vários desejos: especializações, áreas de atuação, um artigo num congresso, trabalhar em um outro lugar, etc. Converse com alguns professores e parece que a profissão se encerra pouco depois do estágio… “Ah, não, professor morre na sala de aula igualzinho entrou. Só muda se deixar de ser professor.”

Será mesmo que estamos condenados a uma inércia? O que podemos fazer para, dentro do turbilhão do dia-a-dia de um professor, nos desenvolvermos?

No próximo BrELT Chat vamos discutir os estágios da carreira de professor de inglês, fazer uma auto-avaliação de onde estamos e para onde queremos ir, e discutiremos como chegar nas outras etapas. Para tanto, poderemos usar como base dois quadros: o British Council’s CPD Framework e o Cambridge English Language Teaching Framework (mais aqui).

Já até sabemos que o assunto não vai se encerrar em uma hora, não é mesmo? Ainda bem que vai ter um painel BrELT/BT Teacher Development SIG no congresso internacional do Braz-TESOL em Brasília no dia 15 de julho. Não perca! Vai ter tempo para debate e também temos de tirar foto para registrar o momento histórico, claro.

13502528_1639072959747311_1230822268062475141_o (1).jpg

Entrevista com Ana Maria Roveri, ganhadora de uma bolsa para ir ao congresso do IATEFL em abril de 2016

profile

1. Primeiramente, gostaríamos de saber um pouco mais de você como professora.
a) Em que contexto(s) você atua no momento?
Trabalho há quatro anos como professora de Língua Inglesa e Língua Portuguesa na EE Professor Antônio Berreta, uma escola de Ensino Médio Integral da rede estadual de SP, situada na cidade de Itu.

b) Você pode falar brevemente de seu histórico profissional?
Iniciei meu trabalho como professora de Inglês ainda bastante jovem, com apenas 16 anos de idade. Naquela época, trabalhava com turmas de crianças e adolescentes em uma escola de idiomas. Quando iniciei o curso de Letras, continuei atuando em escolas de idiomas, posteriormente lecionei em uma escola particular de Educação Infantil e Ensino Fundamental, mas a educação pública ainda era um desafio para mim. Após muita insistência de uma tia, que já atuava na rede pública, prestei o concurso e fui aprovada, vindo a ingressar e me efetivar como PEB II no ano de 2005, na EE Professor Pery Guarany Blackman, também em Itu. Por um tempo consegui conciliar o trabalho nessa escola e também em escolas de idiomas; porém, em 2013, fui selecionada para integrar o corpo docente da Escola Antônio Berreta e,nesse modelo de ensino, temos regime de dedicação exclusiva, vindo a deixar então, as demais aulas.

2. Parabéns pela bolsa que você ganhou! Você poderia falar um pouco mais dessa bolsa para quem não a conhece?
Muito obrigada!! Na verdade, eu também não conhecia essa bolsa. Tive a oportunidade de saber mais a respeito no momento em que me inscrevi no Concurso Cultural, a convite do British Council. Juntamente com outros professores da rede estadual, participo de um curso online e presencial em parceria entre essa entidade e a Secretaria da Educação do Estado de SP. A premiação que recebi foi um convite para participar da 50ª Conferencia IATEFL (International Association of Teachers of English as a Foreign Language) que acontecerá em Birmingham, Inglaterra, no mês de abril. Serão quatro dias participando de palestras, oficinas e fóruns que tem como público-alvo os professores de Inglês como Língua Estrangeira, com todas as despesas pagas.

3. Como foi o processo seletivo? Foi muito trabalhoso e custoso?
O processo seletivo exigiu bastante estudo e dedicação, mas não houve custo, pois todo o processo aconteceu via e-mail. A proposta do Concurso Cultural “Shakespeare lives in the classroom” foi a de elaborar uma redação de 500 palavras para discursar sobre a importância de se ensinar Shakespeare para os alunos e também um plano de aula de 50 minutos, utilizando uma obra do autor, à minha escolha. Como a Literatura Inglesa não é trabalhada diretamente nas escolas de educação básica, precisei rever conceitos que havia aprendido na Faculdade, ler diversas análises de obras Shakesperianas, assistir a vídeos sobre o autor, enfim, eu precisava ter um embasamento literário para poder escrever meu texto. Quanto ao plano de aula, consegui colocar em prática o conhecimento adquirido nas aulas presenciais do curso; escolhi o poema “All the world’s a stage”, o qual vim a saber depois que será um dos temas de um evento da Conferência, o que me deixou imensamente feliz.

4. Na sua opinião, qual é a importância do uso de literatura no ensino de inglês?
Considerando que ao aprender uma língua, o aluno deve também desenvolver o pensamento autônomo e crítico, compreender e interpretar expressões de acordo com as visões sociais e culturais e entender como as manifestações da linguagem exprimem as formas de ser e pensar do indivíduo que as produz, o ensino da Literatura Inglesa torna-se indispensável ao processo de aprendizagem.

5. O que você espera do congresso?
Ao analisar a programação da Conferência, pude ver que os temas são bastante variados, abordando a formação continuada do professor, as estratégias de ensino diferenciadas, aliando a tecnologia ao nosso trabalho, o estímulo à criatividade dos professores e alunos, a autonomia do estudante na aquisição da língua estrangeira, enfim, temas diretamente relacionados ao meu cotidiano profissional. Espero, portanto, que esse aperfeiçoamento venha a contribuir à excelência da educação pública no estado de SP.

6. Esperamos que você volte para nos contar como foi o congresso. Mas, antes disso, você gostaria de deixar um recado para seus fellow BrELTers?
PERSISTÊNCIA e DETERMINAÇÃO são duas palavras-chave quando penso no caminho que percorri até aqui. Em 2010 fui a 11 ª colocada em um Programa do Governo Federal, o ILEP (International Leaders in Education Program), que premiou 10 participantes com uma bolsa de estudos em Washington DC. A frustração foi muito grande, pois por apenas uma vaga eu não consegui. Fiquei um tempo sem me inscrever em programas assim, mas finalmente a minha chance chegou. Passei a pensar que “o não” eu já tinha, e que, me inscrevendo, corria o risco de ter “o sim”.  Espero poder estar novamente aqui para contar sobre essa experiência única!