BrELTers pelo Mundo #11: Audrey Duarte – China

whatsapp-image-2016-11-03-at-19-22-50-1

We have got a lot of questions about working in China and can now count on Audrey Duarte‘s experience of going from São Paulo to living and working in the other side of the world.

——
1. Where do you work and how long have you been working there?
I currently work at two public primary schools in Chaoyang District in Beijing, China. Both are regular Chinese public schools for which the government recruits foreign teachers to teach English to primary, middle and high school students. The goal is for the foreign teacher to introduce a teaching style focused on oral English as this is the area in which Chinese foreign language education lacks the most.
I’ve been working at these schools since the start of September of this year. I teach English to primary and middle school kids, grades 3-6.
2. Had you ever worked abroad before?
I’ve worked abroad before in the U.S.A. and France. While I was in college in New York, I taught English to refugees at the Mohawk Valley Refugee Center in Utica, New York.  I worked in charity fundraising in New York City following my graduation from Hamilton College. In France, I worked at a second-hand francophone and anglophone bookshop called The Abbey . If you’re ever in the Latin Quarter, be sure to check out their more than 35,000 titles all piled up in a little medieval shop!
3. What motivated you to look for another job abroad?
After five years living in the U.S., I returned to Brazil and started teaching  general and business English through language schools in Sao Paulo. After a year, though, the itch for that immersive learning experience I had had a taste of living abroad came back, and I paid attention. I have always been one to thrive and flourish in challenging environments, and shrink when I don’t feel like I’m “working for” my experience. I craved the feeling of “working for” a rewarding and rich output of a new experience that would push me personally and professionally. I chose not to ignore that call, did my research and applied to some 6 different countries in Asia. So far I had lived in places that had been quite accessible to me regarding convenience, comfort and language, like North America and Europe. This time, I wanted a bigger, even more foreign challenge to wake me up to life and grant me a true adventure. After a few offers, I settled on a foreign teacher recruitment company in Beijing, called HYZD International Education. These were the most important factors in my decision-  1. Beijing is a big city and I wanted to be in a place easy to travel from. 2. As a language enthusiast,  I could try to pick up some Chinese while I’m there. 3. The English teacher salary in China tends to be higher than in countries in Southeast Asia. The company was also very attentive and clear with me throughout the entire process of application, from the first email exchanges to answering any questions I had in a prompt fashion, to now, a proactive and responsive employer.
4. What kinds of pre-requisites were there for this position? What qualifications and experience were required?
As I was job hunting, I found that almost every English teaching position abroad requires some form of teaching training. Most require TEFL, some allow the online certification, but the really great and competitive positions want CELTA-certified foreign workers. For my current job, I was required to have a B.A. degree in any subject, to obtain a 120-hr CELTA, and 2 years experience teaching English. However, a CELTA was not compulsory for applicants with a B.A. in Education. Furthermore, and this is the tricky part, most job ads- mine included- call for Native English speakers only. In some places, once you tell them you’re from Brazil, i.e. you don’t possess a passport from an English speaking country, they will unfortunately not consider you, regardless of your level of fluency, even if you’ve lived in an English speaking country. You can sound native-like and they still will say no, in many cases. Some companies recruiting foreign workers are more lenient, though. The company I currently work for agreed to have an interview with me after going through my documents,  such as a cover letter, resumé, and a copy of my college degree. That’s your time to shine and show them not only your command of English but also your teaching knowledge and qualifications.
5. Which documents were required? How did you get a visa to work in China?
As far as bureaucracy goes, it was a long but organized process. The Chinese company that hired me was in charge of requesting the work permit on my behalf. I was required to Fedex in a medical check and my B.A. degree. Because I was in the process of obtaining a CELTA, I didn’t send them a certificate, though they will usually require it. A month or so later, I received the letter of employment and the official visa request in the mail from China and made my way to the Chinese General Consulate in Sao Paulo. The visa was ready in 3 business days and my experience at the consulate smooth and efficient.
6. How did you become aware of this position? Where did you look for it?
I became aware of this teaching position through one of many websites prospective teachers can browse for jobs abroad. My partner had just finished CELTA in Ireland and he had garnered online resources with a lot of job posts abroad. I found my current position through Seek Teachers (http://www.seekteachers.com/). Others include Dave’s ESL Cafe (http://www.eslcafe.com/joblist/) and Teach To Travel (http://teachtotravel.com/). Those are the ones I used primarily, but there are others you’ll likely find as you go.
7. Taking into account the cost of living, how does the salary compare with what you used to earn in Brazil?
A very compelling factor of coming to work in Beijing was the salary. Foreign teachers who come to work in Beijing are well rewarded for their work, while Chinese nationals who teach English here are unfortunately underpaid, as is the predominant case in Brazil for Brazilians teaching classroom English. Keeping in mind the cost of living, my current remuneration here is considerably higher than what  I earned as a teacher in Brazil, or even than what I would earn as almost any other corporate professional at the age of 24, with the exception of large multinational companies and banks, probably. Two important factors to consider when analyzing the salary offer of a prospective workplace abroad are  the cost of life in the city you will work in, and whether or not you will be provided accommodation. I chose Beijing because, though not as cheap as some places in Southeast Asia (think Vietnam or Thailand), the Beijing salary is considerably more attractive while not boasting a high cost of living. Life in Beijing isn’t expensive, and so far I’ve been able to save more than half of my salary each month.
8. What was the most difficult part of the process?
The application process was surely draining. It was both upsetting and exhausting to hear No from jobs in Middle Eastern countries, Japan, South Korea and some places in China, for the simple reason that I am a Brazilian national. Nevermind that I went to college in the States, that I had prior teaching experience and that I have native-sounding English. You can know more grammar (and probably do!) than any native applicant, and they will still get the job before you do. It’s a tough fight, but it’s not nearly as impossible as people will try to make you believe. There are currently many companies looking to recruit foreign teachers who don’t necessarily have a passport from an English speaking country. Having gone through the job hunting journey with my Irish partner, I can fairly say he had a much easier time “convincing” employers than I did… while he was qualified by default, I found myself having to go the extra mile to prove myself to them. My advice to you is- Know your worth, try for every position that interests you – even the ones that advertise native English speakers only- and take it from there. Let go of the ones that reject you on that merit, keep your eyes on the prize and don’t sell yourself short! You shouldn’t get paid less in any job just for being Brazilian. Now that I am here in Beijing, the native speaker obsession has subsided. There is such a high demand for English teachers in China that, if your oral English is strong- native or non-native- you will be well-received and grouped as a Foreign Teacher. People won’t bother making a nominal distinction between you and a native speaker unless they are looking for private lessons, which pay excellent hourly rates. But again, it’s all about presentation and how you sell yourself. At the public schools, most Chinese teachers teaching English here have very limited command of the language, so it is highly likely that a foreign-certified teacher with a good attitude will be seen as an asset in any school.
9. Have you suffered any prejudice for being Brazilian?
I feel no difference between how I am treated from how my fellow foreign teachers, who are native speakers, are treated. HYZD treats their employees with equal professionalism, from the moment they make a commitment to you. That has been my experience in this company so far. As far as my contact with Chinese people outside work, there seems to be some confusion and even curiosity over Brazilian culture, and contrary to the stereotypes we Brazilians get when we travel to other Western countries, most people here in Beijing aren’t aware of much about Brazil. I am often asked questions along the lines of “What is this or that like in Brazil?”. I can’t say I’ve felt any prejudice as a Brazilian here.
10. What has the experience of teaching Chinese children been like?
My average classroom is 35 children whose knowledge of English is at the elementary level at best and who often don’t understand the most basic instructions beyond “No Chinese please”. This has proved to be a real challenge, but it has made me a significantly better teacher. From increasing my use of visual aids and body language, to using universal humor, to exploring kinaesthetic learning styles, my lessons are that much more original and effective because of the language barrier. The students’ inability to communicate more complex thoughts to me pushes them to look for alternative routes of expression, which range from body language to breaking down and reformulating familiar phrases in different ways to try to convey something new. That´s where the magic happens! I get them to practice thinking in English. That’s the beauty foreign teachers bring to an often rigid Chinese curriculum of rote learning: language assimilation through creativity and pushing comfort zones.
15271618_10157749946655375_285487237_o

Audrey and her students.

11. What advice would give to other teachers who would like to teach in China?
My advice to you is: 1. Take a teaching training course before setting out on a teaching adventure. My classes have been filmed and I have been repeatedly asked for my lesson plans and powerpoint presentations so that my coworkers and managers can use as examples for themselves and other inexperienced teachers. I can only attribute the quality I am now able to deliver to CELTA. One intensive month  of the course has changed everything. I don’t say that lightly. My tutors helped me understand what an effective lesson structure looks like, how to hone the details so that the whole is cohesive and smooth. It has made me more confident and it has given me the surprising ability to simultaneously teach, keenly observe myself, and make quick adjustments from my mistakes. It will make all the difference in the world.  2. If health is a concern to you, beware of Beijing’s air quality. Both my partner and I wear masks and have air purifiers at home, but my partner suffers from slight asthma and it has flared up since being here. To me, the protection is effective, but the air quality remains an inconvenience, bothersome, and a true threat for Chinese people. Also, make sure to obtain a travel health insurance before coming as bureaucracy will keep you waiting for your medical card for a couple of months. 3. You won’t feel culturally isolated in Beijing as there is a pretty vibrant expat community, mostly from English-speaking countries.  4. Making the move to China also means encountering a lot of cultural differences, and some can appear to be huge barriers. It is important to be flexible in the workplace, but don’t be afraid to speak up and inform your employer if you find yourself truly uncomfortable. They will likely be very responsive and help you through any issues. 5. Beijing offers incredible (and cheap!) travel opportunities in China and to surrounding countries. Take advantage of it if you like to travel.
12. Anything else you would like to tell us?
Working abroad, you will see your professional and personal life, confidence and capabilities expanding at an exponential pace. You will have tough and perhaps lonely days. You will have thrilling and rewarding days. The good days are so much better than the bad days are bad. You will be proud of yourself for choosing, every day, challenge over comfort. That will give you confidence. For me, it has taught me everything I know. And more than ever you’ll see that the world is your classroom and there is so much to learn.
********************
Audrey, nosso muito obrigado pelas suas super dicas. 🙂 Para conhecer mais BrELTers pelo Mundo, clique aqui.

BrELTers pelo Mundo #10: Felipe Bello Labiapari – Inglaterra

whatsapp-image-2016-11-03-at-19-22-50-1

Será que só inglês consegue trabalhar na terra da Rainha? O paulista Felipe Bello Labiapari mostra que não.

Nesta entrevista ele nos conta como foi a experiência de trabalhar numa Summer School em Londres.

1. Por quanto tempo você trabalhou nesse local e quais suas funções?

Trabalhei durante 2 meses na ICS International Community School e tinha duas funções: EFE Teacher e Office Assistant. Por uma semana fui Teacher Assistant na unidade dos alunos mais novos.

A ICS Funciona como uma escola regular durante o ano letivo, mas trabalhei para a Summer School. No caso da escola em que eu trabalhei, a Summer School acontece no período de junho a agosto e recebe alunos de diversos países. No ano de 2016, eram 3 unidades: uma para alunos bem novos entre 3 a 7 anos, outra para alunos de 8 a 10 anos e por último para alunos de 11 a 17 anos. Como fiquei a maioria do tempo na unidade para os alunos mais velhos, vou focar só na grade de aulas deles. Além das aulas de Inglês, os alunos tinham aula de Música, Artes, Drama, Ciências e Matemática, Esportes, PSHE (Physical, Social, Health and Economy) e excursões toda sexta-feira.

Era da responsabilidade dos professores de Inglês as aulas de PSHE também. Para aqueles que se perguntam como eram as aulas de PSHE, era algo bem amplo como comportamento na escola, respeitar as diferenças culturais, dicas para usar a internet com segurança, etc. Além dos professores de Inglês, os alunos tinham professores para as outras matérias. Cada semana os professores precisavam basear as aulas em um tema diferente, e o tema da semana sempre estava ligado as excursões de sexta-feira. Portanto as aulas eram bem livres e os materiais e conteúdo ficavam por conta do professor. A turma da qual fiquei encarregado era de alunos entre 12 a 14 anos, pre-intermediate e a variedade de nacionalidades era bem grande.

2. Você já trabalhou em outros locais fora do Brasil? 

Minha experiência profissional fora do Brasil foi só em Londres.

felipe

Felipe no Battersea Park

3. O que te levou a procurar emprego fora do país? E por que essa cidade em especial?

Eu tinha planos de morar fora do país durante um período. Escolhi Londres por gostar bastante da cultura da Inglaterra e da cidade.

4. Quais os requisitos que você precisou cumprir para conseguir esse emprego, em termos de qualificações, certificações, experiência prévia, etc.?

Ter o CELTA me ajudou a conseguir esse emprego como professor lá, mas além disso o que me ajudou foi a experiência profissional que já tinha anteriormente tanto como professor e auxiliar de escritório. Eu acredito que o fato de eu ter o terceiro grau também influenciou na minha contratação.

5. Quais foram os requisitos em termo de documentação? 

Tenho o passaporte de Portugal. E no momento ter um passaporte europeu é o suficiente para se candidatar a vagas no Reino Unido.

6. Como você ficou sabendo da vaga? Há algum site específico para saber de vagas como essa?

Existem diversos sites de empregos aqui, mas esse emprego não encontrei nesse tipo de sites. Eu procurei todas as escolas de idiomas que tinham o certificado do British Council e me candidatei ou mandei um e-mail para essas escolas. Foi assim que consegui essa vaga. Também foi preciso preencher um formulário deles e dar referências e estas foram contatadas no Brasil.

7. Tendo em vista o custo de vida, a remuneração é compatível, inferior ou superior ao que você recebia no Brasil?

Diria que um pouco superior.

8. Você sofreu algum preconceito por ser não nativo?
Não, aliás, tinham muito professores não nativos. E a escola tinha o conceito de uma comunidade internacional onde todos deveriam respeitar e conviver com diferentes culturas.

9. Como foi a experiência de trabalhar nesse país sendo brasileiro?
A experiência de trabalhar lá foi muito boa e, geralmente quando mencionava ser brasileiro,era muito bem recebido pelas pessoas. Elas associam o Brasil a coisas boas como o sol, praias, povo alegre. Na época em que trabalhei lá foi quando aconteceram as Olimpíadas no Rio e todos me perguntavam sobre isso.

10. Você passou por alguma situação inusitada em sala de aula por não compartilhar a cultura/língua dos alunos?
Acho que quando há uma barreira de idiomas às vezes fica complicado extrair do aluno até que ponto ele precisa de uma ajuda maior. Muitas vezes ele quer expressar alguma coisa, mas usa a primeira língua e, se essa não for próxima da sua língua mãe ou se você não tem conhecimento nenhum sobre ela, fica difícil captar a mensagem do aluno. Já no Brasil o aluno poderia falar diretamente em português e você poderia compreender melhor e fornecer ajuda.

11. Qual conselho você daria a professores brasileiros que querem trabalhar no mesmo país em que você está?
Isso vai depender muito de que tipo de emprego esse professor está procurando, por exemplo se é algo temporário ou um emprego onde possa trabalhar por mais tempo. Mas os conselhos básicos seriam buscar as certificações e documentos necessários para se trabalhar no país de destino, entender como o sistema educacional do país funciona, ser bastante persistente e ir com a “mente aberta” para exercer outras atividades até alcançar o que deseja, por exemplo trabalhar como assistente de professor antes de chegar no objetivo principal de ser professor .

12. Algo mais que você queira dizer aos BrELTers? 

It ain’t easy but everything you thought is possible when you believe.

********************
Nosso muito obrigado ao Felipe por suas super dicas. 🙂 Para conhecer mais BrELTers pelo Mundo, clique aqui.

BrELTers pelo Mundo #9: Karen Ohara – Alemanha

whatsapp-image-2016-11-03-at-19-22-50-1Tem mais BrELTer pelo mundo? Ô se tem! A paulista Karen Tiemy Ohara está ensinando pequenos berlinenses e conta em seu blog japagirlemberlim.wordpress.com  suas aventuras e desventuras como uma nipo-brasileira na capital alemã. Pedimos uma palinha, e ela toda simpática nos contou como fez para chegar lá e logo arrumar um emprego na mesma área em que trabalhava no Brasil.

1. Há quanto tempo você trabalha nesse local e quais suas funções?

A escola se chama Intellego. Eles começaram em 1991 com foco em aulas particulares de reforço escolar,  depois expandiram para aulas de outros idiomas, música e tecnologia. Desde 2012 eles oferecem curso de inglês extracurricular em escolas públicas, para o primeiro e segundo ano, já que o Inglês só faz parte do currículo regular a partir do 3o ano.

Comecei no fim de setembro desse ano (2016), como English Teacher. Sendo professora de curso extracurricular para Young Learners, as funções não são diferentes das que eu exercia no Brasil como teacher. Uma curiosidade é que aqui a hora-aula é de 45 minutos, em vez de 50 ou 60. A metodologia adotada e os conceitos utilizados em sala de aula são os mesmos que eu usava no Brasil, então não houve nenhum problema de adaptação com relação a isso.  A escola dá bastante apoio pedagógico e operacional, o que ajuda muito também.

2. Você já trabalhou em outros locais fora do Brasil, ou mesmo outra escola na mesma cidade?

Antes de vir para a Alemanha, eu nunca tinha trabalhado fora do Brasil. Agora eu dou aula em 3 escolas diferentes, uma no centro de Berlim e 2 em bairros mais afastados, além de trabalhar em uma startup no período da manhã. Antes de começar nas escolas, dei aulas particulares para um casal da Moldávia.

3. O que te levou a procurar emprego nessa cidade em especial?

2016-03-27-19-spree

Karen Ohara, professora de pequenos berlinenses

Berlim tem muita empresa de tecnologia, e no fim de 2015 uma delas entrou em contato com meu marido, que é da área de IT. Ele já tinha participado de outros processos seletivos para trabalhar em outros países, mas nunca na Alemanha. Tudo aconteceu muito rápido, e em menos de 3 meses já estávamos aqui, de mala e cuia. Passei os primeiros meses cuidando da parte burocrática, depois me matriculei em um curso de alemão e comecei a mandar CVs loucamente!

4.  Quais os requisitos que você precisou cumprir para conseguir esse emprego, em termos de qualificações, certificações, experiência prévia, etc.?

Como outros teachers já disseram em posts anteriores, ter o CELTA abre portas em qualquer lugar. Fora disso, muitas outras coisas contaram a meu favor, como a experiência dentro de sala de aula com young learners, ter o Anaheim Certificate in Teaching English to Young Learners (TEYL), além do fato de ter trabalhado no departamento de Pesquisa e Desenvolvimento do Red Balloon antes de me mudar. Curiosamente, os alemães valorizam muito as cartas de recomendação.

5. Quais foram os requisitos em termo de documentação? 

Meu marido veio com o visto de trabalho válido para 3 meses. Depois desse período, demos entrada no Residence Permit. Na verdade, já agendamos a entrevista logo que chegamos, pois conseguir uma data em menos de 3 meses pode ser bem complicado dependendo da cidade. Ele ficou com o visto de Especialista e eu o de cônjuge, mas com a possibilidade de trabalhar sem restrição de área. Conversando com outras professoras que vieram por conta própria, fiquei sabendo que a maioria possui o visto de Native Speaker English Teacher, então elas não podem trabalhar em outras áreas. Aqui não existe carteira de trabalho, ou você trabalha por contrato ou como freelancer. No meu caso, eu precisei de um freelance tax number para dar aulas.

6. Como você ficou sabendo da vaga? Há algum site específico para saber de vagas?

Eu entrava todo dia no Glassdoor, Jobspotting e Indeed, mas foi no Craigslist que eu achei o maior número de anúncios procurando teachers!

7. Tendo em vista o custo de vida, a remuneração é compatível, inferior ou superior ao que você recebia no Brasil?

Tricky question… Vou colocar todos os fatores a serem considerados: Eles me pagam 20 euros por uma aula de 45 minutos. O salário mínimo na Alemanha é de 8,50 por hora, e Berlim tem um custo de vida muito mais barato do que Munique, por exemplo. Entretanto, assim como no Brasil, é muito difícil conseguir uma carga horária cheia, o que eles já deixam claro desde a entrevista. As aulas extra-curriculares para YL só podem acontecer de tarde, já que as escolas funcionam de manhã e não existe período vespertino. Por isso eu tenho um trabalho meio período de manhã e as aulas de tarde. Alguns perrengues são globais, lol!

8. E quais são as oportunidades de crescimento profissional que você tem por aí?

Acabei de começar nessa escola, mas percebo que professores mais experientes podem, além das aulas, trabalhar como coaches/mentors de novos professores, darem workshops, e até se tornarem teacher trainers.

9. Você sofreu algum preconceito por ser não nativa?

A Alemanha é o maior destino de imigrantes da Europa, então a prioridade em empresas é sempre para os profissionais locais. Os institutos de idiomas aqui só procuram native speakers. No caso de ELT, infelizmente a maioria das escolas prefere NESTs sem experiência do que NNESTs com experiência e certificação. Percebi também que a pronúncia é um fator muito importante, pois é isso que diferencia os profissionais locais dos cursos extracurriculares. Consegui entrevistas na teimosia mesmo, e muita gente ainda estranha o fato de eu ser brasileira e ao mesmo tempo obviamente descendente de orientais.

10. Como está sendo a experiência de trabalhar na Alemanha sendo brasileira?

Particularmente, a experiência está sendo muito positiva. É ótimo aprender mais sobre o sistema de ensino de outro país, entrar em contato com falantes de uma L1 diferente, estar em contato direto com outra cultura. Os alemães são bem corretos com a parte burocrática, e a razão se sobrepõe à emoção na hora de dar e receber feedbacks.

11. Você passou por alguma situação inusitada em sala de aula por não compartilhar a língua/cultura dos alunos?

Todo dia! Descobri há poucos dias que apontar para sua própria cabeça é um gesto ofensivo, fiquei imaginando quantas vezes eu fiz isso querendo dizer remember ou head!

12. Qual conselho você daria a professores brasileiros que querem trabalhar na Alemanha?

Corra atrás do seu desenvolvimento profissional antes de se aventurar, seja persistente e sempre tenha um plano B.

13. Algo mais que você queira dizer aos BrELTers? 

Quem quiser mais informações sobre a vida aqui na terra do chucrute, pode deixar uma mensagem no meu blog ou me mandar um email (karentioh@gmail.com), que ficarei muito feliz em ajudar!

********************
Nosso muito obrigado à Karen por suas super dicas. 🙂 Para conhecer mais BrELTers pelo Mundo, clique aqui.

 

BrELTers pelo Mundo #8: Luiz Sampaio – País Basco (Espanha)

whatsapp-image-2016-11-03-at-19-22-50-1“Teachers required”, diz o anúncio, “native speakers only”.

Apesar de na União Europeia ser proibido por lei discriminar potenciais candidatos por sua origem, é comum esbarrar em anúncios discriminatórios quando a vaga é na Espanha. Entretanto, isso não quer dizer que o mercado espanhol seja totalmente hostil a não nativos. O paulistano Luiz Sampaio está há pouco mais de um ano em Zarautz, no País Basco, e conta sua experiência.

*******************

1. Há quanto tempo você trabalha nesse local e quais suas funções?

Trabalho na Lacunza, um curso de idiomas filiado à International House, desde setembro de 2015 como professor de inglês para crianças, adolescentes e adultos.

2. Você já trabalhou em outros locais fora do Brasil? 

unspecified-2

Luiz Sampaio no belíssimo País Basco

Trabalhei durante o verão de 2015 e 2016 em Brighton, Inglaterra. No primeiro ano, trabalhei como professor e no segundo como Director of Studies.

3. O que te levou a procurar emprego fora do país?

Eu era muito feliz no meu antigo emprego, mas sentia que precisava de mais. Sempre tive o sonho de morar fora do Brasil, mas jamais pensei que acabaria morando em uma cidade de 20 mil habitantes no País Basco. Acabei indo para a Inglaterra em um primeiro momento para trabalhar durante o verão e tentar procurar algo por lá. No final, acabei achando essa vaga no site da International House e decidi arriscar.

4. Quais os requisitos que você precisou cumprir para conseguir esse emprego, em termos de qualificações, certificações, experiência prévia, etc.?

Acredito que os requisitos sejam os mesmos para as demais escolas da IH, como CELTA e experiência posterior ao curso. Na minha escola, eles optam por contratar candidatos que alcançaram A or B no CELTA, mas conheço professores que tiveram C como resultado e trabalham junto comigo.

5. Quais foram os requisitos em termo de documentação?

Na Europa, em geral, todas as vagas exigem que o candidato possua um passaporte europeu ou um visto de trabalho. Como eu já tinha a dupla cidadania espanhola, para mim foi fácil conseguir um emprego.

6. Tendo em vista o custo de vida, a remuneração é compatível, inferior ou superior ao que você recebia no Brasil?

Em geral os salários são compatíveis com o custo de vida do local onde você mora. No meu caso, por exemplo, o País Basco é a região mais cara para se viver na Espanha, então os salários são um pouco mais altos. Não dá para juntar muito dinheiro, mas se vive muito bem e é possível viajar bastante sem passar muitos apertos.

7. Você sofreu algum preconceito por ser não nativo?

Aqui na minha escola não senti preconceito algum. Há diversos professores de outras nacionalidade, como poloneses, gregos, checos e romenos, entre outros. Entretanto, a Espanha é um dos mercados mais competitivos no ensino de inglês. Apesar de haver uma lei que proíbe que empresas publiquem anúncios para contratação de apenas professores nativos, sei que há um preconceito maior em outras comunidades espanholas como Barcelona e Madri. Antes de vir trabalhar na Espanha, eu havia enviado vários currículos para várias escolas ao redor do mundo, mas nunca me deram uma resposta positiva e acredito, infelizmente, que tinha sido pelo fato de eu não ser nativo. Creio que essa realidade está mudando bastante. Quando trabalhei na Inglaterra, neste verão de 2016, minha equipe de professores era formada por diferentes nacionalidades; eram poucos os britânicos no grupo.

8. Como está sendo a experiência de trabalhar nesse país sendo brasileiro?

A experiência tem sido ótima. Fico feliz de falar que sou brasileiro e mostrar um pouco da nossa cultura para os meus colegas e alunos.

9. Você passou por alguma situação inusitada em sala de aula por não compartilhar a língua dos alunos?

Apesar de estar em território espanhol, meus alunos são fluentes em basco e espanhol. No geral, eles se comunicam em Euskera (basco). Por falar português, não passei por muitas situações inusitadas, mas me lembro de focar na palavra ‘harmonica’ (‘gaita’ em português) após um texto, por acreditar que os alunos não reconheceriam. Porém, meus alunos apenas riram e falaram que a palavra em espanhol era ‘armónica’.

10. Qual conselho você daria a professores brasileiros que querem trabalhar na Espanha?

Acredito que o maior desafio seja se diferenciar neste mercado. Continue estudando sempre e se dedicando. Ter o CELTA, por exemplo, não é diferencial fora do Brasil, mas sim o básico. Cada dia mais, sinto que muitos empregos pedem o DELTA por haver muitos professores de inglês. Não desista no primeiro não que você ouvir e siga em frente.

*************

Eskerrik asko, Luiz, pela entrevista e parabéns! Há BrELTers procurando emprego na Espanha, e eles ficarão muito felizes em saber que é, sim, possível. 

Para conhecer mais BrELTers pelo Mundo, clique aqui.

 

BrELTers pelo Mundo #6: entrevista com Mau Buchler – Austrália

whatsapp-image-2016-11-03-at-19-22-50-1O paulistano Mau Buchler, do divertido site www.tripppin.com, morou na Austrália por 8 anos e conta para gente a sua experiência em dar aula de inglês em diversas cidades da ilha-continente. Lá ele teve a oportunidade de ensinar inglês geral, preparatórios para exames e inglês para fins específicos e também de trabalhar como elaborador de cursos presenciais e como conteudista e designer instrucional.

Assista ao vídeo e veja suas principais dicas:

1) Faça o CELTA.
Não só porque é uma exigência de boa parte nas escolas do exterior, mas porque o curso é bom e ajuda muito no seu crescimento profissional, mesmo que você já tenha experiência.

2) Tenha como comprovar 800h de experiência em sala de aula.
Pode ser uma carta de seu empregador com carimbo.

3) Busque um visto de permanência ou, no caso da Austrália, até mesmo um visto de estudante, que vai te permitir trabalhar 20h semanais. Mas como isso varia muito de país para país e de que passaportes você tem, busque as informações mais atualizadas.
Nota da BrELT: Procure as informações de visto no site da Embaixada ou do Consulado do país em que você deseja morar.

4) Aproveite as oportunidades que as redes sociais lhe oferecem. Faça um network internacional. O emprego pode pintar por aí.

5) Há escolas que valorizam uma heterogenia de sotaques e culturas. Ao mesmo tempo, mesmo nesse contexto, é importante que o professor de inglês domine o idioma.

6) Professor ganha mal em todo o mundo. Ele ganhava AU$4500 para lecionar todo dia das 8h às 14h, o que era um salário até bom, provavelmente melhor do que o que ele ganha aqui no Brasil, mas também não daria para bancar um apartamento sozinho de frente pra praia.

8) Na Austrália não necessariamente vale a pena ter duas fontes pagadoras, pois o seu segundo emprego será muito taxado, em quase 40%. Ou seja, já que trabalhar noite e dia não vai compensar muito, aproveite e entre no ritmo “laid-back” to país.
Nota da BrELT: Praticamente um lema australiano é “Work to live; don’t live to work.”

9) Se você quiser morar fora, planeje. Organize suas finanças, pesquise bastante a questão da documentação, etc. Por exemplo, o empregador pode ter dificuldade em justificar o seu visto de trabalho como professor de inglês pois ele precisa dizer que não haveria australianos para contratar para a mesma função, o que é quase impossível de a imigração aceitar.

Para conhecer mais BrELTers pelo Mundo, clique aqui.

BrELTers pelo Mundo #1: entrevista com Luiza Mota – Colômbia

whatsapp-image-2016-11-03-at-19-22-50-1

Recentemente, a comunidade BrELT manifestou grande interesse em saber de oportunidades para brasileiros lecionarem no exterior. E com a curiosidade, vêm as dúvidas: O que precisa ter de experiência, qualificação e documentação? Será que dá pé? E vale a pena? Qual é o caminho das pedras?

Como o maior recurso da BrELT são os seus membros, resolvemos tirar as dúvidas com os próprios BrELTers que temos espalhados aí pelo mundão, do vizinho Uruguai à longínqua China. E com isto surgiu esta série de entrevistas que começa hoje com Luiza Mota, professora carioca que está em seu segundo ano de Bogotá, Colômbia.

*******************

1. Há quanto tempo você trabalha nesse local e quais suas funções? 

14963461_10154520225480575_1642217701_o

Luiza Mota, BrELTer na Colômbia

Trabalho no Gimnasio Femenino desde abril de 2016, tanto no Middle Years Programme, que seria nosso Fundamental 2, como no Diploma Programme, com alunas de 16 a 18 anos. Aqui sou professora da área de línguas modernas. As disciplinas que ensino são Português B e Inglês A. Como é uma escola do IB (nota da BrELT: International Baccalaureate, saiba mais aqui), essas denominações A e B se referem a L1 (A) ou língua estrangeira (B). Ou seja, eu sou professora de português como língua estrangeira e de inglês (language, literature and writing)  como L1, já que as alunas já são fluentes na língua inglesa desde a escola primária. Além de dar aula, eu também sou responsável pelo desenvolvimento dos planejamentos anuais e por montar toda a malha curricular de Português, uma vez que este é o primeiro semestre em que a língua está sendo ensinada como matéria obrigatória no colégio. Está sendo um grande desafio, algumas (muitas) noites mal dormidas, mas uma experiência incrível.

2. Você teve outras experiências de trabalho fora do Brasil ou aí mesmo em Bogotá?

Quando cheguei em Bogotá em julho de 2015, trabalhei como professora de inglês e assistente de relações internacionais na Escuela Colombiana de Ingenieria. Aqui na Colômbia, para se formar em qualquer curso superior, o aluno é obrigado a atingir o nível B2 em língua inglesa. A minha função era preparar os alunos dos cursos de Engenharia, Administração de Empresas e Matemática para esse desafio. Também auxiliava o setor de relações internacionais da universidade em fazer contato com universidades estrangeiras. Foi bastante interessante essa parte do trabalho, de estar em contato pessoal com representantes das melhores universidades do mundo. Trabalhei lá de julho de 2015  a maio de 2016, quando decidi dedicar-me inteiramente à docência no colégio que, além de representar um grande crescimento profissional, é a minha verdadeira vocação.

3. O que te levou a procurar emprego fora do país? E por que essa cidade e país em especial?

Sou filha de comissários de bordo e cresci viajando o mundo. Isso não apenas despertou meu interesse por línguas e história como me fez perceber desde muito cedo que, para realmente entender o mundo, deve-se conhecê-lo in loco. Eu sempre fui fascinada pela América Latina e sentia que me faltava conhecimento sobre nosso continente antes de começar meu mestrado, o qual pretendo enfocar na educação dentro dos países latino-americanos. Assim, decidi passar um ano fora do Brasil trabalhando com alunos falantes de espanhol e aprendendo esta difícil língua da qual eu não sabia mais do que “Hola ¿que tal?”. Consegui o trabalho na universidade antes de chegar a Colômbia através de um site anúncios e cheguei a Bogotá com a cara e a coragem (eu não tinha nem onde morar, fiquei a primeira semana em um hotel enquanto buscava apartamento). Por que a Colômbia? Por que este país oferece boa qualidade de vida, ótimas oportunidades de emprego para estrangeiros e reúne características que outros países latinos, como México, Venezuela, Equador, Bolívia e Peru (guardando as devidas e importantes individualidades obviamente). A Colômbia é um grande resumo de boa parte da América Latina, e Bogotá é uma metrópole, apesar de caótica, apaixonante. A ideia era ficar um ano e já estou completando o segundo.

4. Quais os requisitos que você precisou cumprir para conseguir esse emprego, em termos de qualificações, certificações, experiência prévia, etc.?

A universidade me exigiu apenas o diploma de graduação em Letras (eu fiz Português-Literaturas) e experiência de um ano na área. Era um posto de assistente, assim não precisei de tantas qualificações. A minha ideia era ter um trabalho garantido para chegar no país e, aí assim, buscar algo melhor se decidisse ficar mais tempo. Já no colégio foi um pouco mais difícil. Me exigiram mais tempo de experiencia na área (pelo menos 3 anos comprovados), o CELTA, o diploma de graduação em Letras e muitas muitas muitas entrevistas. Mas tampouco foi algo impossível. Infelizmente a qualificação do profissional na Colômbia é ainda pior que no Brasil. Muitos cursos de inglês buscam os famosos “gringos mochileiros”, então não é difícil encontrar trabalho. Já para encontrar um BOM  trabalho que te faça realmente crescer como profissional… aí se requer um pouco mais.

5. Quais foram os requisitos em termo de documentação? 

Cidadãos brasileiros têm direito a um tipo especial de visto na Colômbia. O visto TP-15, chamado também de “Visa Mercosur”, lhe dá direito a trabalhar e estudar na Colômbia por 2 anos e é renovável. O requisito é o seu histórico criminal traduzido por um tradutor juramentado, cópia do seu passaporte com a última entrada na Colômbia e pagar um taxa. No site da cancilleria colombiana (http://www.cancilleria.gov.co/) estão todas as informações, não é difícil. Todo trabalhador na Colômbia tem que estar afiliado ao sistema de saúde EPS. Isso se faz depois que você já está empregado e te descontam em folha 6% de seu salário.

6. Como você ficou sabendo da vaga? Há algum site específico para saber de vagas na Colômbia?

Fiquei sabendo através de amigos que me indicaram a vaga. Muita gente chega à Colômbia através da AIESEC. Se você é ainda estudante de graduação ou recém-formado, pode ser uma boa opção, mas os salários dessas vagas não são muito bons. Eu recomendo o site computrabajo.com.co, que é o maior site de empregos daqui da Colômbia. Mas principalmente ficar ligado em colegas que já estejam trabalhando fora. Eu, por exemplo, já anunciei umas 3 vagas em grupos do Facebook, inclusive na BrELT.

7. Tendo em vista o custo de vida, a remuneração é compatível, inferior ou superior ao que você recebia no Brasil?

A remuneração que recebo hoje é maior que a que recebia no Brasil (e no Brasil eu trabalhava em três lugares diferentes, aqui em apenas um) . Mas o colégio em que trabalho é reconhecido por seus excelentes salários e benefícios. Normalmente o salário na Colômbia é MUITO mais baixo que no Brasil. Os colombianos infelizmente são conhecidos por terem um dos níveis salariais mais baixos da América Latina. Por outro lado, o custo de vida também é bastante baixo. Eu vivia bem aqui, pagava contas, fazia umas comprinhas, comia em restaurantes, viajei muito dentro do país (inclusive de avião para cidades como Cartagena, San Andres e Medellin) com um salário de 2.000 reais (meu primeiro salário quando cheguei na Colômbia), coisa que na minha cidade natal (Rio de Janeiro) seria impossível.  Hoje, com um salário maior, já consigo até fazer umas economias.

8. Você sofreu algum preconceito por ser não nativa?

Muito pelo contrário. Os estrangeiros são praticamente endeusados aqui na Colômbia. Às vezes dá até um pouco de vergonha, eu não sou tão boa assim.

(Nota da BrELT: We beg to differ.)

9. Como está sendo a experiência de trabalhar nesse país sendo brasileira?

Apesar da saudade e de detestar o frio (a temperatura média anual em Bogotá é de 10 graus, neste momento está 3 graus a 1 da tarde), eu posso afirmar que foi a melhor decisão que já tomei profissionalmente. As oportunidades são incríveis, as pessoas super receptivas, a cidade oferece muitas opções, minhas alunas e meus colegas são super interessados no Brasil e na língua portuguesa. Algo que se passou comigo é que, apesar de eu nunca ter tido o “complexo de vira-lata brasileiro” e sempre ter tido muito orgulho do meu país, aqui o meu amor pelo Brasil cresceu ainda mais. A gente começa a ver que outras pessoas no mundo nos admiram. Muitos colombianos sabem mais do Brasil que os próprios brasileiros. A única coisa que eu não recomendo é falar de futebol. Eles ainda não superaram a eliminação da copa de 2014 e levam sempre pro lado pessoal. Brasil x Colômbia aqui é um dia tenso para mim.

10. Você passou por alguma situação inusitada em sala de aula por não compartilhar a cultura/língua dos alunos?

Houve alguns momentos engraçados, principalmente quando eu ainda não sabia muito espanhol, em que disse palavras inapropriadas, mas nada que me colocasse em situações embaraçosas. No máximo algumas risadas. Aqui no colégio internacional, quando as estudantes se dão conta de que eu falo espanhol, é sempre uma surpresa seguida de muitas risadas. Todos dizem que tenho “espanhol da Selena Gomez” (referência a um comercial da Pantene em que a Selena Gomez fala espanhol, não sei se passa no Brasil), ou seja, um sotaque gringo vergonhoso.

11. Qual conselho você daria a professores brasileiros que querem trabalhar no mesmo país em que você está?

Que venham! A Colômbia é um país maravilhoso. Mas venham sabendo que não é um país para ganhar dinheiro. Como disse, os salários aqui são baixos. Você viverá bem, com boa qualidade de vida, mas, se o seu objetivo é levar dinheiro ao Brasil, esqueça. Já se você busca crescimento profissional e pessoal, eu recomendo muito.

12. Algo mais que você queira dizer aos BrELTers?

Gostaria de agradecer à BrELT pelo convite e pela oportunidade de compartilhar a minha experiência com vocês. Para finalizar, queria ressaltar a importância do diálogo, da troca de experiências e da qualificação constante. Nossa profissão, apesar de pouco valorizada, pode ser muito realizadora e gratificante. É possível sim se realizar profissionalmente na edução, e o mundo necessita de educadores com vontade. Pensem fora da caixa: estar em sintonia com a Europa, Canadá e Estados Unidos é muito importante e inevitável em nossa sociedade, mas a América Latina tem muito a oferecer e pode ser uma experiência. espetacular tanto na carreira como no âmbito pessoal.

******************************

Luiza, agradecemos por interromper seu dia a dia frenético para nos elucidar as muitas dúvidas e curiosidades. Realmente a Colômbia parece um destino e tanto. ¡Muchas gracias!
Nossos agradecimentos também a Eduardo de Freitas pelo lindo pôster que vai ilustrar esta série. 

Para conhecer mais BrELTers pelo Mundo, clique aqui.

Bons ventos do Espírito Santo – entrevista com Paulo Torres

O estado do Espírito Santo tem cerca de 3,8 milhões de habitantes. Mesmo no décimo quinto estado mais populoso do Brasil o desenvolvimento de professores continua sendo um desafio.

Entrevistamos Paulo Torres, um profissional que luta e muito contribui para o cenário capixaba de ELT. Paulo é diretor cultural da APIES (Associação dos Professores de Inglês do Espírito Santo) e presidente da COOPERLING  (Cooperativa dos Professores de Línguas do Espírito Santo) e compartilha conosco sua experiência na área pedagógica e administrativa.

foto-2

1- Conte-nos um pouco sobre você e sua trajetória no mundo do ensino de inglês.

Atuo no ensino de inglês há quase 22 anos. Sou graduado em Letras Inglês e Literatura da Língua Inglesa pela Universidade Federal do Espírito Santo e especialista em Novas Tecnologias Educacionais pelas Faculdades Integradas de Jacarepaguá. Já trabalhei em vários cursos de idiomas e fui coordenador pedagógico por 10 anos. Sou do Mato Grosso, mas resido em Vitória/ES há 20 anos. Sou professor efetivo de inglês da Prefeitura Municipal de Vitória, onde ministro aulas para o Fundamental 1. Também sou teacher trainer, consultor acadêmico da National Geographic Learning e mensalmente publico artigos no blog da Disal.

 

2- Sabemos que você é membro da diretoria das duas organizações de professores de inglês no estado do Espírito Santo. Conte mais sobre elas. Em que elas diferem uma da outra?

Sou membro da diretoria da Associação dos Professores de Inglês do Espírito Santo e presidente da Cooperativa dos Professores de Línguas do Espírito Santo.
A Associação dos Professores de Inglês do Espírito Santo (APIES) tem a missão de melhorar o status profissional do ensino da língua inglesa no estado. Além disso, busca atualizar os professores da área quanto a novos materiais, novas tendências da língua e do ensino nos segmentos públicos e privados e, também, oferecer oportunidades para trocas de experiências com professores do estado, do Brasil e do mundo.

A Cooperativa dos Professores de Línguas do Espírito Santo (COOPERLING) tem como objetivo a congregação dos associados, prestando-lhes assistência cooperativista e administrativa por seus serviços docentes a serem executados em quaisquer instituições de ensino, empresas e instituições públicas, filantrópicas ou privadas, bem como pessoas físicas ou jurídicas, associações de classe, órgãos municipais, estaduais ou federais.

 

3- Como e quando surgiu a ideia da criação da COOPERLING? Ela só existe no ES?

A Cooperativa foi criada por um grupo de professores interessados em implantar em Vitória um ensino diferenciado e de qualidade. Surgiu a ideia de uma Cooperativa de Professores, uma vez que, na época, não havia este tipo de prestação de serviço na capital do Espírito Santo. Houve várias reuniões para discutir a implantação do serviço nas quais especialistas em Cooperativismo e outros profissionais foram consultados para esclarecimentos pertinentes.

Assim, em 27 de junho de 1997, reuniram-se extraordinariamente os primeiros 25 (vinte e cinco) professores cooperados, onde foi inscrito e aprovado seu estatuto original.

A COOPERLING atua somente no ES. Contudo, há outras cooperativas de línguas em outros estados.

 

4- Como um professor pode se tornar cooperado? Onde podemos obter mais informações?

De acordo com o nosso estatuto, os docentes em língua inglesa precisam ter diploma do ensino superior de licenciatura plena e/ou bacharelado em curso de Letras, reconhecidos pelo MEC, residir na área de atuação da Cooperativa, não praticar atividades colidentes ou prejudiciais aos interesses da Cooperativa e ter inscrição municipal ativa como autônomo em seu município de residência.

Para docentes em outras línguas, é aceito diploma e/ou certificado emitido no exterior, que seja equivalente ao terceiro grau (graduação), bem como Certificado de Proficiência emitido por entidades conceituadas e com reputação ilibada, além de todas as outras exigências.

Para mais informações, visitem e curtam a nossa fan page facebook.com/cooperlinges.

5- Como você enxerga o cenário ELT no Espírito Santo comparado a outros estados no Brasil?

O Espírito Santo é um estado bastante desenvolvido em relação ao ensino de língua inglesa. Há uma grande preocupação em relação ao aperfeiçoamento contínuo por parte dos docentes e uma busca constante por atualização sobre novas tendências da língua, novos materiais e o ensino em todos os segmentos.

Há grandes possibilidades de crescimento para os cursos de idiomas que procuram inovar e se adequar às rápidas mudanças que a nossa sociedade vem vivenciando nos últimos anos. É nessa linha que a COOPERLING procura desenvolver seus projetos, fechando parcerias com empresas e instituições que atuam nos mais diversos ramos buscando atender à sempre e cada vez mais rápida mudança de demanda no ramo do ensino de línguas.

 

6- Que dicas você daria a uma pessoa que queira criar uma cooperativa de professores em outros estados? Quais são os possíveis problemas?

Há três fatores que julgo ser de extrema importância a serem considerados antes de se criar uma cooperativa de professores. O primeiro é definir se será uma cooperativa somente de professores de inglês ou de línguas. Segundo, é necessário ter uma assessoria contábil e jurídica que realmente entenda como o cooperativismo funciona. E, por último, é fundamental promover a educação cooperativista dos associados para que os cooperados entendam que eles não são empregados da Cooperativa. Todos os cooperados são donos e responsáveis de forma igualitária, dividindo as sobras e as perdas.

Em relação aos possíveis problemas, destaco três também. Primeiro, a altíssima carga tributária dificulta muito o funcionamento das cooperativas. Além disso, a captação de novos tomadores/parceiros nem sempre é fácil. E, finalmente, fazer com que todos os cooperados estejam em dia com suas obrigações fiscais junto ao município é outra tarefa um tanto quanto desgastante. Contudo, como Pontes de Miranda sabiamente disse, “As pessoas mais se unem em Cooperativas não para lucrar, mas sim para que outros não lucrem sobre elas.” Caso esse espírito consiga ser criado dentro de uma cooperativa, certamente há de ser bem sucedida!