Calendar of ELT Events: Ano Novo, CPD de novo

16178501_1766260973695175_838623887710137261_o

Evento BrELT sobre desenvolvimento profissional

Ano Novo, promessas novas. Se sua resolução para 2017 é dedicar-se mais ao seu desenvolvimento profissional, já dá para começar com os eventos agora mesmo de janeiro.

Nesta sexta-feira, 27 de janeiro às 13h (horário de verão de Brasília, UTC-2), o BRAZ-TESOL abre sua temporada de webinars com our very own Ricardo Barros, moderador BrELT extraordinaire, em “Practical Tips to Teach Pronunciation”. Corram para se inscrever porque essa sala vai lotar muuuuito!

Por falar em lotação esgotada, dia 28 São Paulo recebe o III Teacher Development Day by Caltabiano Idiomas. Mas se você paulistano não está na lista desse evento, não fique triste, que dias 23 e 24 o Instituto Singularidades hospeda o  17º Encontro de Férias da SBS, em que se discutirão temas quentes como ensino com novas tecnologias e bilinguismo.

Quem não tem acesso à capital paulista também não tem do que reclamar, pois janeiro conta com bastante evento on-line, além do webinar do Ricardo Barros. Nesta segunda-feira, dia 16 às 21h, a Target oferece um workshop on-line e gratuito para quem está pensando em fazer o CELTA. No dia 21, o Pronunciation SIG do IATEFL terá o webinar ‘The role teacher’s manuals play in pronunciation teaching: an answer key or a complete guide?’ com Sinem Sonsaat. Nos dias 23 e 25, a Cambridge dará o webinar “Understanding reading comprehension assessment: What every teacher should know“. Aliás, toda essa série de webinars “Understanding … assessment” vale a pena acompanhar e buscar as gravações. E o último fim de semana do mês está dominado por dois eventos bombásticos. Para o sábado dia 28/01, o Teacher Development SIG da IATEFL organizou 4 palestras sobre o tema “Learnings when the wheels fall off”. Porque a gente aprende a dar aula nas condições normais de temperatura e pressão, mas os 4 apresentadores de continentes diferentes vão contar o que fizeram quando tudo deu errado. Muito legal, né?

Só que o domingo dia 29 vai ser mais legal ainda. A comunidade BrELT tem trazido muitas dúvidas sobre o que exatamente é o CELTA, ICELT, DELTA, os exames de Cambridge e outras opções de desenvolvimento profissional disponíveis para professores de inglês no Brasil. Por isso, a gente organizou o primeiro, o único, o incomparável BrELT Certified in 2017: Pursuing Professional Development, com as presenças confirmadas de Alberto Costa (Cambridge Assessment), Henrique Moura (Seven), Ricardo Barros (Target/Seven), Marcela Cintra (Cultura Inglesa SP), entre outros. Tudo de graça com live streaming no nosso canal do YouTube, de onde os participantes logados poderão fazer bastantes perguntas e tirarem todas as suas dúvidas.

Vejam mais informações sobre o nosso primeiro evento online de 2017 aqui.

O link para o evento no Facebook pode ser acessado aqui também. Participe!

certifiedin2017

Tutor Henrique Moura tira dúvidas sobre o CELTA

henrique moura.jpgRecentemente a comunidade teve várias discussões sobre o CELTA, o “Certificate in Teaching English to Speakers of Other Languages” da Cambridge. Foram dúvidas sobre se é melhor fazer o CELTA de um mês ou de um semestre, se vale a pena fazer no exterior, se CELTA garante emprego lá fora, etc. Entre os comentários, destacou-se o do Henrique Moura, que além de um experiente tutor de CELTA e ICELT na Seven Idiomas, é um dos poucos tutores no Brasil de DELTA. Pouca coisa o rapaz, né?  #sóquenão 

Um dos orgulhos da BrELT, o Henrique não só se deu ao trabalho de escrever um extenso comentário sobre tudo o que havia sido perguntado, como ainda nos autorizou a reproduzi-lo aqui e até respondeu a mais perguntas. (Porque, né, deu a mão, a gente quer o braço.) ❤ Thanks, Henrique! You rock!

1. É melhor fazer o CELTA intensivo ou extensivo?

Tanto faz. Depende mais da sua disponibilidade de tempo e localização do que qualquer outro fator. Se você não mora em uma cidade que tem um centro autorizado, talvez a opção intensiva seja a única. Se você mora em uma cidade que tem um centro autorizado, depende da sua escolha – ou você tira um mês para se dedicar, ou separa algumas boas horas da sua semana por quatro meses (vinte semanas). Depende de como você lidará com o stress e a pressão, mas não vejo como uma escolha pensando em aproveitamento acadêmico. Mas lembre-se: se você optar pelo intensivo, vai ser um mês em que você só poderá se dedicar ao curso. Não vai dar para ir ao cinema no final de semana, não vai dar para tirar um dia off para fazer algo importante, não vai dar para chegar em casa e arrumar as coisas. Você terá que se organizar muito bem antes do curso começar para que tenha a disponibilidade que o curso exige.

O resultado é o mesmo! Percebo o mesmo desenvolvimento dos candidatos nas aulas finais do curso em cursos extensivos e intensivos, e quando recebo candidatos para cursos mais adiantados (ICELT ou Delta), candidatos que fizeram o curso de ambas maneiras acabam tendo perfis similares, então, de maneira geral, sinceramente não acredito que o curso regular proporcione maior possibilidade de assimilar o conteúdo aprendido do que o intensivo.

2. No curso intensivo as exigências são menores?

A demanda dos tutores será a mesma em qualquer modalidade do curso. Sendo o curso intensivo, extensivo, presencial ou online, o que é esperado do candidato é exatamente a mesma coisa.

3. É melhor fazer o CELTA no Brasil ou no exterior?

Fazer o curso no exterior pode não ser interessante porque você não terá tempo de aproveitar nada da cidade, então eu sugeriria guardar o dinheiro para fazer uma viagem de férias depois e focar no CELTA no Brasil. O curso será o mesmo em qualquer centro autorizado porque esta é uma das vantagens do curso: cada curso é moderado por um avaliador externo apontado por Cambridge que deve garantir que os padrões do curso sejam aqueles propostos por Cambridge.

(Comentário da BrELT: para saber outra opinião, leia o post da Narayhana Pereira, que está adorando o CELTA em Torbay, na Inglaterra e não está gastando muito.)

4. A vantagem de fazer o CELTA no exterior é ter experiência com grupos multilíngues, correto?

Fazer o CELTA no exterior não é garantia que você terá experiência com alunos de diversas nacionalidades. Pode ser que você tenha grupos em que todos os alunos falem árabe, ou chinês, ou coreano. A princípio, não conhecer a língua dos alunos pode, eu disse PODE, dificultar você a antecipar problemas que os alunos possam ter, mas na minha opinião, quando você começar a dar aula em um determinado país, você logo aprenderá a identificar algumas questões específicas de um determinado grupo. Além disso, acho um pouco ingênuo acreditarmos que porque conhecemos a língua do aluno seremos capaz de anteciparmos todos os problemas para agirmos preventivamente. Cada aluno tem um desenvolvimento diferente e muitas vezes o seus erros são únicos. É mais importante desenvolver uma boa habilidade de ouvir o aluno e entender as suas necessidades do que listar possíveis problemas que alunos que falem a língua X, Y ou Z possam ter. Mas sim, é uma experiência enriquecedora, porém não fundamental.

5. Se todo curso é igual, como escolher o centro? 

Todos os cursos cobrirão o mesmo conteúdo programático e darão aos candidatos a oportunidade de desenvolver habilidades-chave, porém, há outras coisas que podem ajudar o candidato a escolher o centro.

  • Localização: Lembre-se que estar próximo de transporte público pode ser muito útil – chegar em casa 1 hora mais cedo pode fazer muita diferença na sua qualidade de vida. Além disso, pense no que a região tem a oferecer, por exemplo, se você precisar de cópias, de algum material para suas aulas, se quiser comer alguma coisa… Essas coisas contam muito durante um mês (ou um dia, no caso de quem faz o curso extensivo) atribulado.
  • Infraestrutura: Pense que este vai ser o prédio onde você vai passar boas horas do seu dia. Tem espaço para você trabalhar em silêncio quando precisar? Se você quiser trazer uma marmitinha para economizar no restaurante, tem um lugar onde você pode guardar e aquecer? Você tem acesso a materiais que vai utilizar durante o curso? Essas coisas parecem bobas, mas fazem muita diferença durante o curso.
  • Cursos oferecidos: O centro tem uma variedade de cursos? Muitas vezes, você pode ter um problema e não conseguir terminar o seu curso ou precisar perder alguma aula. O centro oferece outras opções de cursos, dias, horários e modalidades para se adequar às suas necessidades? Se o centro tem apenas um curso por semestre, e você ficar doente, por exemplo, você só vai conseguir terminar seu curso no outro semestre.
  • Tutores: Pesquise quem são os tutores como o Ricardo disse. Os tutores têm experiência com CELTA? Qualificações?Às vezes um determinado curso pode ser um pouco mais barato, mas você vai acabar gastando muito mais com outras questões (transporte, alimentação, materiais, etc.) que acabam não compensando.

(Comentário da BrELT: clique aqui para ver os centros de CELTA no Brasil.)

6. E o CELTA online?

É tão puxado quanto o convencional. Em algumas modalidades, grande parte do input é dado antes das aulas práticas, mas isso não quer dizer, em hipótese alguma, que os candidatos terão de ter assimilado todo esse conteúdo quando começarem a dar as aulas. Os critérios são os mesmos de um curso regular: nas primeiras aulas, os tutores estarão mais interessados no rapport dos candidatos com os alunos e no classroom management. Em seguida, focarão no planejamento de aula e atividades, depois, em como os professores reagem aos alunos – para exemplificar. Funciona igualzinho ao presencial. A exigência aumenta à medida que os candidatos vão praticando e ganhando confiança. Ah, e não é porque o curso é online que o tutor não fica no pé. Tem prazos, atividades em grupo, em pares… Então tem que cumprir prazos e exigências como no curso regular.

7. Tendo o CELTA, eu consigo trabalhar como professor de inglês no exterior?

É a mesma coisa que perguntar: se eu me formar em administração, vou trabalhar em uma multinacional? Depende de muitos fatores. A primeira coisa que você tem que saber é que, se você quiser trabalhar legalmente no exterior, sua documentação deve estar em dia. Você deverá tem um visto ou cidadania que te permita trabalhar legalmente em um país, caso contrário é difícil. São pouquíssimos os lugares que contratam estrangeiros e se responsabilizam pela documentação, porque além de ser custoso, é uma grande responsabilidade para a escola. Como alguém também disse, a mão de obra na Europa, por exemplo, é abundante. Então se o seu nível de inglês ainda não é um bom C2, precisa investir. Mas sim, dá pra trabalhar fora, apenas não pense que só com o CELTA será possível. O CELTA é uma das coisas de que você precisará.

(Comentário da BrELT: Leia também o thread sobre essa questão e aguarde as novidades — a BrELT está preparando uma série de entrevistas com brasileiros que estão lecionando no exterior.)

8. O que devo fazer primeiro: o CELTA ou o CAE (prova de inglês avançado da Cambridge)?

Para fazer o CELTA, o candidato precisa ter um nível de inglês C1+, o que significa um avançado forte. Não é necessário o certificado, mas certamente o nível, que será avaliado na entrevista do curso. Se o seu inglês ainda não estiver no nível, precisa correr atrás antes de começar o curso. Se você vai tirar o CAE ou não antes do CELTA, indifere, mas o inglês tem que estar afiado – tanto oral quanto escrito. Para a sua empregabilidade, é interessante que você tenha comprovação do nível linguístico também, então, antes ou depois do CELTA, o CAE (ou CPE) é necessário.

9. O que conta mais: fazer o CELTA ou o TKT? Quais as diferenças?

Se você já tem um nível avançado de inglês, o CELTA. O CELTA é um certificado que comprova que você saber dar aula. O TKT é um certificado que comprova que você sabe a teoria básica de ensino de inglês como língua estrangeira, mas não necessariamente sabe aplicar este conhecimento em sala de aula. O TKT é um grande glossário sobre ensino de inglês. É como aprender a dirigir: o TKT seria como o curso teórico – em que você aprende o que são as placas de trânsito, os tipos de infração etc –, mas o CELTA é a parte prática, em que você entra no carro e dirige. O TKT é interessante para quem ainda não atingiu um nível avançado de inglês, alguém que no momento não pode dispender de tanta energia e tempo quando o CELTA exige mas busca uma qualificação, alguém que queira estudar por conta e não pode investir (tanto) no momento etc – mas deve ficar claro que o TKT não ensina prática de ensino, e sim o básico teórico.

(Nota da BrELT: Lembrando que o CELTA é um curso, que inclui uma boa parte de aulas práticas como disse o Henrique, e o TKT em si é só prova, embora haja cursos preparatórios para ela. Ambos conferem um certificado da Cambridge, mas em níveis diferentes, como ele explicou.)

 

10. Já sou prof experiente e vi que o CELTA é para quem quer começar a dar aula. Vale a pena fazer o CELTA?

O CELTA é um curso para pessoas que nunca deram aula, para pessoas que têm pouca experiência, ou para pessoas que têm 20 anos de profissão. Cabe todo mundo! Muitos professores experientes nunca foram formalmente treinados e não possuem qualificação formal, muitos professores têm vícios que adquiriram ao longo da carreira que nunca perceberam ou nunca foram alertados, muitos professores experientes querem ideias novas – O CELTA contempla todas essas questões. Professores novos aprendem com o CELTA pois têm o constante suporte dos tutores para experimentar com as novas técnicas a refletir sobre os resultados, e professores experientes também. Muitas vezes o professor experiente não percebe suas necessidades de desenvolvimento e com o CELTA passa a perceber. Outro dia, recebi feedback de uma pessoa que já está há muito tempo no mercado e está fazendo o CELTA. Perguntei o porquê do curso, e ele me disse que tinha muito conhecimento sobre ensino de inglês, mas o CELTA o ajudou a organizar e formalizar estes conhecimentos, e muitas coisas que ele sabia intuitivamente passaram a fazer sentido.

***************************************************

Dica da BrELT: Se você quer saber mais sobre o CELTA, leia o que a Cambridge oferece de material, confira as discussões na BrELT sobre isso (1, 2, 3, 4 e nosso último chat), ouça o podcast que o TEFLShow fez, contate os centros de seu interesse e tire suas dúvidas com os tutores (há centros que até oferecem palestras gratuitas), converse com colegas que já fizeram o curso (na BrELT temos vários!) e aguarde o livro virtual que vai sair pela The Round.

Se ficar alguma dúvida, jogue lá na BrELT. Como você pode ver pelas respostas do Henrique, o que não falta na nossa comunidade é gente competente querendo ajudar.

Update 05/11: O Henrique avisou lá na BrELT que a própria Cambridge está com um curso on-line gratuito para quem quer se inteirar do mundo ELT e planejar a carreira: https://www.futurelearn.com/courses/explore-elt

BrELT Chat 30/06/16: Os estágios de desenvolvimento profissional e como avançar

13537577_10153487347286577_4626402279293622217_n.jpg

Pergunte para uma colega advogada e ela tem todo um plano até chegar a ser sócia de escritório ou juíza. Fale com médicos e engenheiros e há vários desejos: especializações, áreas de atuação, um artigo num congresso, trabalhar em um outro lugar, etc. Converse com alguns professores e parece que a profissão se encerra pouco depois do estágio… “Ah, não, professor morre na sala de aula igualzinho entrou. Só muda se deixar de ser professor.”

Será mesmo que estamos condenados a uma inércia? O que podemos fazer para, dentro do turbilhão do dia-a-dia de um professor, nos desenvolvermos?

No próximo BrELT Chat vamos discutir os estágios da carreira de professor de inglês, fazer uma auto-avaliação de onde estamos e para onde queremos ir, e discutiremos como chegar nas outras etapas. Para tanto, poderemos usar como base dois quadros: o British Council’s CPD Framework e o Cambridge English Language Teaching Framework (mais aqui).

Já até sabemos que o assunto não vai se encerrar em uma hora, não é mesmo? Ainda bem que vai ter um painel BrELT/BT Teacher Development SIG no congresso internacional do Braz-TESOL em Brasília no dia 15 de julho. Não perca! Vai ter tempo para debate e também temos de tirar foto para registrar o momento histórico, claro.

13502528_1639072959747311_1230822268062475141_o (1).jpg

O ano acabou? Que nada!

Hello-ho-ho, BRELTers! Sempre uma honra contribuir novamente com vocês!

Bem, novembro finalmente está chegando ao fim e dá até para sentir o cheirinho de ceia que vem da cozinha. Mas antes de decidirmos se panetone é melhor que chocotone e se uva passa deve ou não estar na salada de batata, temos muitas oportunidades de professional development por aí.

Abrimos o mês com o dois super eventos na nossa comunidade: o último BRELT chat de 2015, que  acontece dia 3 de dezembro às 22h, horário de Brasília, e um webinar com James Taylor no dia 10, mesmo horário,  sobre o que super estimado e subestimado em ELT. Ambos imperdíveis – nos vemos lá!

Falando em webinar, teremos Tony Green (IATEFL) falando de preparação para exames, Kay Bentley (Cambridge) sobre alfabetização e ELT e Bríd Ní Chatháin (British Concil) sobre compreensão escrita e alunos com dislexia. Todos gratuitos, só não se esqueçam de confirmar o fuso horário para não perder essas oportunidades.

Falando um pouco de eventos presenciais, teremos a II Semana de Letras da UFPB, que vai trazer uma homenagem a Sérgio de Castro Pinto e promete ser um evento inesquecível. Ainda para os privilegiados que moram ou estarão no nordeste, temos o IV Simpósio Nacional e II Simpósio Internacional Discurso, Identidade e Sociedade em Fortaleza. Tema super interessante e relevante!

Last but not least, temos o call for papers no Braz Tesol rolando até dia 4 de janeiro. Não deixem de enviar propostas para que o evento em Brasília seja arrasador. O link está aqui, ó: http://braztesol.org.br/internationalconference/Proposal.aspx.

E as inscrições já estão abertas. Nos veremos todos lá!

Bom, por dezembro é isso. E que venham as comilanças! Um feliz 2016 a todos e nos vemos em janeiro!!

The BRELT team

 

Agenda de ELT Events em outubro

Outubro é o mês dos professores. Em homenagem à data, diversas instituições nos presentearão com oportunidades de desenvolvimento profissional, tanto a distância quanto presenciais. Por enquanto, nosso Calendário prevê webinars gratuitos da Cambridge, IATEFL, Macmillan, Oxford University Press, Pearson e TESOL. A IATEFL vai ter até um congresso online, aberto para membros e não membros! Além disso, dia 4 vai ser repleto de palestras curtas na primeira edição do EFL Talks.

Claro que a BrELT não deixaria passar outubro em brancas nuvens: fora o BrELT chat habitual, que será no dia 8, teremos no dia 22 um webinar com Luiz Otávio Barros denominado “Oral Correction: More to it than meets the eye”. Será uma oportunidade de ouro para quem perdeu a plenária de abertura do 1º Braz-TESOL TD-SIG, que foi um enorme sucesso. Luiz Otávio nos propõe uma reflexão sobre um dos grandes mantras de TESOL: será que é mesmo melhor corrigir imediatamente os erros apenas durante as tarefas com foco na precisão, mas adiar a correção em tarefas cujo objetivo é fluência?

WEBINAR_LUIZOTAVIO_2015_colorido2

Em termos de eventos presenciais, os paulistanos contam com palestras na DISAL, na SBS e na Caltabiano Idiomas. Para quem está pensando em fazer uma graduação ou pós lá fora, a feira das universidades britânicas percorrerá São Paulo, Rio de Janeiro e Belo Horizonte. Last but not least, haverá eventos da APLIEMT em Rondonópolis, da UFRRJ em Seropédica e do Braz-TESOL nas cidades de Goiânia, Curitiba e Belo Horizonte.

Há, ainda, cursos on-line começando neste mês: a Universidade de Southampton oferece um curso de quatro semanas sobre o ensino e aprendizagem de línguas, e a Universidade de Oregon discutirá estratégias do ensino de língua inglesa.

Ufa! Agenda cheia e nem falamos dos Call for papers que estão se fechando neste mês!

outubro

Mais info sobre os eventos estão disponíveis no próprio calendário.

Fiquem ligados sempre na agenda, que as novidades podem ir surgindo no decorrer do período, adicionadas pela Ilá Coimbra, pela moderação da BrELT e agora também pela secretaria do Braz-TESOL, a APLIESP e a APIES. Se você tiver um Google Calendar pessoal, acrescente a Agenda BrELT para ficar mais fácil de acompanhar as atualizações. E não deixe de nos dar feedback: a agenda está tendo utilidade? Como poderíamos melhorá-la a fim de atender melhor à comunidade ELT brasileira?

BrELT Calendar of ELT events: O que vem por aí em setembro

por Ilá Coimbra

Olá, BrELTers! O mês de setembro está começando e está repleto de eventos, webinars e oportunidades de desenvolvimento profissional!

Ainda na primeira metade do mês, teremos vários webinars: Teaching Pre-School children: The Importance of Stories; 4 Principles of Engaging Online Task Design; Storytelling – Top Tips for Getting Young Learners Started; Think globally, act locally: adapting published materials; e o tão aguardado BrELT webinar com Will Eduardo: Language Testing – Theories & Practices. Todos imperdíveis!

will eduardo

Em setembro também termina o prazo para o envio de speaker proposal para o IATEFL 2016 – cuidado, não deixem a oportunidade passar. No dia 25 teremos o tão aguardado 1st BRAZ-TESOL TD SIG One-day Seminar, que está prometendo ser incrível. Ainda dá tempo de fazer sua inscrição, caso você não tenha feito ainda. Por fim, mas não menos importante, teremos também Webinars com Damian Williams, Cambrige webinars durante todo o mês e call for papers para o congresso da International Language Testing Association, que será em Palermo em 2016.

Todos os detalhes desses eventos estão disponíveis no calendário BrELTacesse e mantenha-se informado! Um grande abraço!

brelt-september